Rádio Observador

Apple

Quanto custa à Apple fazer um iPhone?

164

Para fazer o iPhone XS Max de 64GB, a Apple desembolsa 100 euros para o ecrã e 71 euros na eletrónica. Os sensores são das peças mais baratas. A Apple vende depois o telemóvel por quase 1000 euros.

O aumento dos preços do iPhone têm levado a uma quebra nas vendas

JIM LO SCALZO/EPA

Pela primeira vez desde 2012, as vendas do iPhone representaram menos de metade das vendas totais da Apple. Assim indica o relatório do segundo trimestre do ano da empresa, citado pela BBC. Em comparação com o mesmo período do ano passado, as vendas do iPhone diminuíram em 741 milhões de dólares (cerca de 666 milhões de euros).

Mas, afinal, quanto custa à Apple fabricar cada telemóvel? E porque são tão caros?

Tomemos como exemplo o XS Max de 64GB. Os componentes deste modelo custam à Apple, segundo a BBC, 392,5 dólares (cerca de 353 euros). Acresce a montagem e tudo o que está por trás: o marketing, a investigação e o próprio desenvolvimento do produto.

A câmara do iPhone XS Max, por exemplo, custa 51 dólares (cerca de 45 euros) e o ecrã 120 dólares (cerca de 108 euros). Os componentes mecânicos também são das peças mais caras, com um custo total de 71,5 dólares (cerca de 63 euros). O bluetooth/wifi custam apenas sete dólares (cerca de seis euros). Os sensores, as entradas USB e os auriculares são mesmo as peças mais baratas.

No fim, a Apple vende o XS Max de 64GB por 1.099 dólares nos Estados Unidos (cerca de 989 euros). Em Portugal, este telemóvel está à venda por 1.279,99 euros.

Comparemos estes números com modelos de iPhone antigos. O 7 de 64GB custava 225 dólares para fabricar e eram precisos 295 dólares para a versão Plus do iPhone 8 (cerca de 202 e 265 euros, respetivamente). Estes modelos foram vendidos no mercado norte-americano por 649 e 699 dólares (cerca de 584 e 629 euros).

O iPhone X, lançado em setembro de 2017, foi um dos mais caros de sempre da Apple: custava 999 dólares (cerca de 899 euros) nos Estados Unidos. Também nesta altura, chegaram características como os ecrãs de alta resolução, tecnologia AMOLED e a câmara com reconhecimento facial. O preço dos componentes aumentou significativamente.

Esta subida traduziu-se numa quebra das vendas na China, por exemplo, onde os preços dos telemóveis mais recentes ficaram fora do alcance de muitos consumidores.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)