Rádio Observador

Lifestyle

Ser solteira e comer pratos italianos: é este o segredo de Louise para chegar aos 107 anos

Norte-americana que fez 107 anos diz que o segredo da longevidade é ser solteira a vida inteira e comer pratos italianos, sem bolos ou sumos. A irmã, que se arrepende de ter casado, já tem 102 anos.

Louise Signore leva um estilo de vida saudável e faz amigos na vizinhança

Jessica Layton/Twitter

Louise Signore segue uma dieta equilibrado, faz exercício físico e encontra-se regularmente com amigos. Mas, para ela, o que realmente contribuiu para que chegasse aos 107 anos cheia de saúde não foi a comida, a ginástica ou os jogos de bingo. Foi o facto de nunca se ter casado, confidenciou ela ao canal de televisão norte-americano WCBS: “Eu nunca me casei. Acho que é esse o segredo. A minha irmã mais nova está sempre a dizer: ‘Quem me dera nunca ter casado’“.

Acontece que o segredo deve ser outro. É que, embora tenha uma aliança no dedo e Louise Signore se tenha mantido longe dos anéis, até mesmo a irmã da aniversariante já soma 102 anos, descobriu o canal afiliado da CNN na festa em que mais de 100 pessoas celebraram a vida de Louise. Foi lá que a centenária falou sobre a vida ativa que faz questão de preservar: “Se eles tiverem exercícios, eu faço os exercícios. Se eles dançam, eu danço. Ainda gosto de dançar um pouquinho. Depois do meu almoço, vou jogar bingo. E assim tenho um dia cheio”, descreve.

Louise Signore, que nasceu em 1912 em Manhattan mas que mora em Nova Iorque desde os 14 anos, gosta de se manter independente: “Ela não tem bengala nem cadeira de rodas. Faz todas as compras dela. É incrível”, descreveu uma amiga da aniversariante aos jornalistas. Louise mora num lar no Bronx e tem muitas amizades na vizinhança: “Acho que a ligação dela com os vizinhos na comunidade e também com os amigos aqui no centro de idosos ajudam”, analisou a diretora do lar.

A mulher de 107 anos também não sofre de quaisquer problemas de saúde. “Não tomo remédios nenhuns. Tenho 107 anos e tomo um comprimido para a hipertensão, mais nada”. Porquê? É uma coisa que já lhe corre no sangue, garante Louise, filha de italianos: “É a comida italiana. A comida italiana faz muito bem à gente. Eu fui criada com comida muito boa. Sem refrigerante, sem bolos”, aconselha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)