Rádio Observador

Indonésia

4 mortos e mil desalojados em sismo de magnitude 6,9 na Indonésia

430

Um sismo de magnitude 6,9 na escala de Richter atingiu as ilhas de Java e Sumatra, na Indonésia, e causou a morte de pelo menos quatro pessoas. Mil pessoas ficaram desalojadas.

Pelo menos quatro pessoas morreram e mil ficaram desalojadas na sequência do sismo de magnitude 6,9 na escala de Richter que atingiu na sexta-feira as ilhas de Java e Sumatra, na Indonésia, anunciaram este sábado as autoridades.

De acordo com a Agência Nacional de Gestão de Desastres, uma das quatro vítimas mortais era uma mulher da Ilha de Java, que “entrou em pânico e sofreu um ataque cardíaco”. Outra mulher, de 95 anos, “morreu de fatiga durante a evacuação”, detalhou a Agência Nacional em comunicado, acrescentando a existência de quatro feridos.

O terremoto causou danos estruturais em mais de 200 edifícios e o município de Pandeglang, o mais próximo do epicentro, foi o mais afetado, com 81 casas e uma mesquita danificadas.

O sismo provocou situações de pânico na capital, Jacarta, a cerca de 250 quilómetros a noroeste do epicentro, e danos em edifícios da cidade de Bandung, a mais de 300 quilómetros, e no anel oeste de Java. Mais de 1.000 pessoas refugiaram-se em abrigos temporários.

O serviço sismológico indonésio BMKG tinha alertado na sexta-feira para a ocorrência de um possível tsunami, com ondas até os três metros de altura, em várias áreas das ilhas de Java, Sumatra e Panaitan, tendo pedido às populações locais para se deslocarem para zonas mais altas.

Cerca de duas horas depois, as previsões não se verificaram e as autoridades indonésias informaram que o alerta de tsunami tinha sido levantado.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), que regista atividades sísmicas em todo o mundo, localizou o epicentro do terramoto a cerca de 90 quilómetros a sudoeste da província de Banten, em Java, e a 42 quilómetros de profundidade.

A Indonésia fica localizada no chamado Anel de Fogo do Pacífico, uma área de grande atividade sísmica e vulcânica com 127 vulcões ativos, onde são registados anualmente cerca de 7.000 sismos, a maioria com uma magnitude moderada.

Em setembro de 2018, um sismo de magnitude 7,5 atingiu a ilha de Celebes, provocando um tsunami que causou mais de 2.000 mortos e 200.000 deslocados nas cidades de Palu e Donggala.

A Indonésia costuma ser fustigada por terramotos de elevadas magnitudes por estar em cima do chamado Anel de Fogo, uma zona do planeta de grande interação entre placas tectónicas — as peças que compõem a superfície da Terra. Umas chocam entre si, outras roçam umas nas outras e ainda há as que se afastam. Quando esses movimentos acontecem, as rochas da superfície terrestre acumulam energia até atingirem o limite elástico dos materiais. Se o ultrapassam, a energia é libertada. E acontece o sismo.

Os tsunamis acontecem na sequência dos sismos. Quando uma placa tectónica se movimenta inesperadamente, a água por cima dela é deslocada e pode transformar-se em autênticas paredes de água que viajam pelo mar fora. Como a atividade tectónica, e por consequência a atividade sísmica, é maior no Oceano Pacífico, estima-se que 80% de todos os tsunamis registados no planeta aconteçam no Anel Fogo, a região onde a Indonésia fica.

Christabelle Adeline, que está em Jacarta, contou o que sentiu ao Channel News Asia: “Eu estava no 18º andar quando o prédio abanou. Foi bastante grande e durou cerca de um minuto. Felizmente o escritório estava em grande parte silencioso porque toda a gente tinha ido para casa. Mas para nós, que trabalhamos até tarde, foi horrível. Nos escondemo-nos debaixo das mesas e quando o terramoto parou, o prédio soou o alarme e disseram-nos para sair”.

O sismo começou no estreito que separa as ilhas indonésias de Java e Sumatra, as mais populosas do arquipélago. O serviço sismológico indonésio espera ondas de até três metros de altura em várias áreas das ilhas de Java, Sumatra e Panaitan, pelo que foi pedido às populações dessas zonas que se desloquem para áreas mais seguras.

Em setembro de 2018, um terremoto de magnitude 7,5 sacudiu a ilha de Celebes e causou um tsunami que causou mais de 2.000 mortes e 200.000 deslocados nas cidades de Palu e Donggala.

Nota – Artigo editado às 13h42 do dia 03/08/2019, com novas informações relativas ao número de vítimas e aos danos materiais causados pelo sismo

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)