Rádio Observador

Comentário Político

Marques Mendes. “O secretário de Estado da Protecção Civil devia demitir-se”

249

No comentário semanal da SIC, o político fala da polémica das golas inflamáveis, de incompatibilidades e da greve dos camionistas. Marques Mendes diz que a lei é um exagero, mas é para cumprir.

Marques Mendes, faz comentário político na SIC aos domingos

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

“O Secretário de Estado da Proteção Civil devia demitir-se. Ou então devia ser demitido”. Marques Mendes não tem meias medidas para a polémica sobre as golas inflamáveis que esta semana inflamaram o Ministério da Administração Interna e terminaram na demissão do adjunto do secretário de estado, José Artur Neves.

Para o comentador da SIC, o próprio governante devia ter assumido a responsabilidade, uma vez que o seu adjunto depende de si. “Um seu adjunto influenciou a escolha das empresas a contratar e demitiu-se. O secretário de Estado devia ter feito o mesmo. Devia ter assumido a responsabilidade política. Os adjuntos não agem por conta própria”, explicou, até porque o governante saiu deste fragilizado deste caso, considerou.

Por outro lado, quanto às incompatibilidades políticas que se verificaram, depois do Observador ter noticiado que o filho do secretário de Estado da Proteção Civil tinha feito, através de uma empresa em que detém 20%, três contratos com o Estado, quando a lei diz que cônjuges, pais, filhos e familiares diretos de um membro do Governo não o podem fazer. Depois disso, soube-se que outros familiares de outros membros do Governo também mantinham há anos contratos com o Estado. Marques Mendes considera que apesar da lei ser um “exagero” neste caso particular, é para cumprir. Até proque existe há mais de 20 anos. E o facto de o primeiro-ministro António Costa ter decidido pedir à Procuradoria um parecer para ver se a lei previa ou mão a demissão “foi uma decisão desastrosa”.

O pedido de parecer do primeiro-ministro é uma habilidade. Um truque. O objetivo do pedido não é esclarecer. É comprar tempo. É adiar o assunto até às eleições para que ninguém se demita nem tenha de ser demitido”, afirmou.

Problema: ou a Procuradoria Geral da República é simpática e emite parecer em cima do processo eleitoral, não tendo o seu conteúdo quaisquer consequências para o atual Governo. Ou dá parecer antes e António Costa tem “um problema sério, em setembro, em plena campanha eleitoral”, disse Marques Mendes, que não parece ter dúvidas que a lei prevê a demissão do cargo político para aquele cujo familiar tenha celebrado contratos públicos com o Estado. Dúvida que António Costa pediu à Procuradoria Geral da República para dar parecer.

Em relação à greve dos camionistas e à reunião prevista para esta segunda-feira entre sindicato e o Governo, Marques Mendes diz que “se a inteligência funcionar o sindicato dá um passo atrás para poder dois no futuro e desconvocar a greve”. Isto porque para o comentador da SIC aos olhos da opinião pública nenhum português compreende que se esteja a fazer uma greve em agosto para aumentos salariais previstos para 2021 ou 2022 e porque para o Governo, “que dará uma reposta mais musculada”, mais do que uma questão “laboral ou sindical”, será uma questão política e vai mostrar uma posição de força a pensar nas eleições.

No comentário semanal, feito a partir do Algarve, o social democrata falou também da escolha de Mário Centeno para o FMI. “Mário Centeno perdeu. Nesta última semana deixou demasiado claro que queria muito sair de Portugal e ir para o FMI. É uma derrota pesada. Vai ter de ficar e ficar contrariado. Centeno, a partir de agora, faz lembrar aqueles jogadores de futebol que querem sair de Portugal para o estrangeiro, não conseguem a transferência e depois ficam a jogar contrariados cá dentro”, comparou.

O ministro português das Finanças confirmou quinta-feira que não estava na ronda de votação desta sexta-feira ao cargo de diretor-geral do Fundo Monetário Internacional.

Marques Mendes não deixou fora do comentário o Conselho Nacional do PSD, para dizer que Rui Rio ganhou, como se esperava, mas que perdeu no país, dando uma “grande ajuda a Luís Montenegro”. Para ele, “o potencial sucessor de Rio”, sem nada ter feito vai acabar por receber o apoio de “todos os descontentes”. “É sempre assim”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)