Rádio Observador

Iémen

Nações Unidas e rebeldes Houthi chegam a acordo para retomar ajuda alimentar no Iémen

A ONU e os rebeldes Houthi anunciaram um acordo para retomar o fornecimento de alimentos nas zonas do Iémen controladas por rebeldes, uma vez que a ajuda foi suspensa em junho.

A suspensão parcial da ajuda na capital iemenita, Sanaa, foi decidida após acusações de que os rebeldes estavam a desviar os bens alimentares

YAHYA ARHAB/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Organização das Nações Unidas (ONU) e os rebeldes Houthi anunciaram este domingo um acordo para retomar o fornecimento de alimentos nas zonas do Iémen controladas por rebeldes, uma vez que a ajuda foi suspensa em junho.

A suspensão parcial da ajuda na capital iemenita, Sanaa, foi decidida após acusações de que os rebeldes estavam a desviar os bens alimentares.

Por outro lado, os rebeldes acusaram o Programa Alimentar Mundial (PAM), que é a maior agência humanitária do mundo, de enviar alimentos fora de prazo de validade para o Iémen.

Segundo o porta-voz do PAM, Herve Verhoosel, o acordo alcançado com os rebeldes Houthi é “um passo importante” para salvaguardar e garantir a operação humanitária no Iémen.

Sem avançar com pormenores do acordo, Herve Verhoosel disse que as duas partes estão a trabalhar nos detalhes técnicos, de acordo com a Associated Press. Apesar de ter sido anunciado este domingo, o líder rebelde Mohammed Ali al-Houthi afirmou que o acordo foi assinado no sábado.

Em maio, os rebeldes do Iémen devolveram um carregamento do PAM destinado a alimentar cerca de 100 mil famílias no país devastado pela guerra e no limiar da fome, anunciou um porta-voz da agência humanitária.

A rejeição da remessa ocorreu quando o PAM estava em negociações tensas com os rebeldes, conhecidos como Huthis, que bloquearam a tentativa da agência de registar milhões de iemenitas que precisavam de ajuda, usando a biometria como forma de impedir o roubo de ajuda alimentar.

O PAM culpou principalmente os rebeldes por roubarem a ajuda alimentar, acrescentando que o carregamento rejeitado também privaria milhares de famílias de ajuda extremamente necessária.

Em junho, o PAM suspendeu parcialmente a ajuda, uma vez que as conversações com os Huthis não tiveram resultados e depois de a agência acusar os rebeldes de continuarem a roubar ajuda e de usarem milhões de dólares de doações internacionais para a economia de guerra.

Segundo o PAM, a suspensão afetou 850.000 pessoas em Sanaa, capital iemenita, onde ocorreu a maior parte do roubo. O PAM tem enviado ajuda alimentar no valor de 100.000 milhões de dólares (87,8 milhões de euros) por mês para o Iémen.

Os rebeldes, que controlam o norte do Iémen, responderam com uma feroz campanha nos meios de comunicação contra o PAM, acusando-o de enviar comida estragada.

Dias antes da suspensão da ajuda, David Beasley, diretor executivo do PAM, referiu ao Conselho de Segurança das Nações Unidas (ONU) que a agência descobriu no final de 2018 “evidências sérias de que comida estava a ser desviada e a ir para as pessoas erradas” na capital Sanaa e outras áreas controladas pelos Houthis.

O conflito no Iémen começou com a tomada da capital, Sanaa, em 2014, pelos Houthis apoiados pelos iranianos, que expulsaram o governo internacionalmente reconhecido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)