Rádio Observador

MotoGP

Voltou onde foi feliz e fez o terceiro melhor resultado da época: Miguel Oliveira em 13.º no GP da Rep. Checa

199

Após um mês de paragem no Mundial, Miguel Oliveira voltou à Rep. Checa para conseguir o terceiro melhor resultado da época (13.º), apenas superado por Argentina e Catalunha. Márquez foi o vencedor.

Miguel Oliveira fez o terceiro melhor resultado da época onde no ano passado ganhou e assumiu a liderança do Moto 2

AFP/Getty Images

Um mês depois, o Moto GP voltou. E voltou depois de Miguel Oliveira ter conseguido na Alemanha segurar a corrida depois de uma queda logo na curva 3 que condicionou por completo o resultado (18.º lugar) mas que permitiu não só mostrar a capacidade da moto (chegou a fazer em algumas voltas top 10 dos melhores tempos) como segurar o registo de 33 provas seguidas sempre a chegar ao fim, naquele que é um recorde entre todos os pilotos. Agora, seguia-se a Rep. Checa. A mesma Rep. Checa onde, em 2018 no Moto 2, ganhou a corrida e assumiu então a liderança do Mundial à frente de Pecco Bagnaia.

Depois dos excelentes indicadores deixados nos tempos livres, onde chegou a obter o 13.º melhor tempo, o português da KTM concluiu a qualificação no 16.º posto. “Na corrida podemos terminar numa posição muito melhor. Sinto-me bastante bem no piso seco. Será uma boa corrida”, vaticinou. No entanto, o tempo não foi propriamente um conselheiro nesse sentido, com o arranque a ser adiado cerca de 40 minutos com a entrada do safety car em pista para dar tempo que o traçado secasse da chuva que foi caindo (e viu-se uma significativa diferença com essa paragem) e a redução da prova para apenas 20 voltas.

Lá na frente, as atenções centravam-se nos espanhóis Marc Márquez, que conquistou a sexta pole position da temporada, e Álex Rins, que tiveram um momento de tensão numa volta rápida do piloto da Suzuki que motivou muitas críticas. “Ele fez foi algo estranho. Saiu largo na curva 5 e viu que vinha eu e o Miller logo atrás. Nessa altura apenas deixou passar o Miller e incomodou-me nas duas seguintes curvas. Quando lhe toquei foi porque abriu a porta e ia numa volta rápida. É um piloto com muito talento, super rápido, mas não tem todo o respeito que devia ter pelos outros. Não é a primeira vez que o faz. A reação que teve na última curva, ao travar bastante forte e ultrapassando-me, não foi a melhor, pois sabia que ia entrar nas boxes. Não foi correto… Mas isto é uma corrida e cada um joga as suas cartas”, queixou-se Álex Rins do pentacampeão mundial.

Polémicas à parte, Márquez fez aquilo que se esperava: saiu na frente, conseguiu ganhar alguma distância e manteve Dovizioso, que entretanto subiu à segunda posição, longe o suficiente para ir gerindo a corrida. Já Miguel Oliveira fez jus ao prometido, saltando para o 14.º posto logo no primeiro setor e subindo mais um lugar por volta de seguida, fixando-se à frente de Aleix Espargaró na 12.ª posição e a lutar com aquele que foi o seu grande adversário no ano passado em Moto 2, Pecco Bagnaia. Joan Mir e Franco Morbidelli foram os primeiros a desistir, numa queda entre ambos logo na volta inicial.

O 11.º lugar na Argentina era ainda o resultado máximo em 2019 mas esta estava a ser já a melhor corrida do português em relação à distância dos primeiros lugares, esperando-se que pudesse forçar um pouco mais o andamento nas últimas voltas para arriscar a entrada num inédito top 10 no MotoGP sabendo que tinha na roda o espanhol Maverick Viñales, que após algumas tentativas falhadas acabou por ultrapassar mesmo Miguel Oliveira a meio da corrida (umas voltas depois passaria também para a frente de Bagnaia), apesar de continuar a ser a KTM mais rápida em pista. No final, o piloto de Almada acabou mesmo no 13.º lugar, naquele que foi o terceiro melhor resultado da época, a cinco segundos do top 10 numa prova ganha por Márquez.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)