Rádio Observador

História

Galerias Romanas de Lisboa vão estar abertas todo o ano já a partir de 2020

173

Por enquanto, o espaço mantém-se aberto apenas duas vezes por ano. Câmara de Lisboa anuncia que abertura permanente ao público começa no fim de 2020. Será ainda criado um centro interpretativo.

As galerias romanas têm 2.000 anos e foram construídas algures entre os séculos I a.C. e I d.C

Câmara Municipal de Lisboa/Facebook

As Galerias Romanas de Lisboa, com 2.000 anos de história e descobertas em 1771, vão estar abertas o ano inteiro e vão poder ser visitadas “sem filas nem dias contados” em qualquer altura já a partir de 2020. A notícia foi divulgada pela Câmara Municipal de Lisboa através das redes sociais no domingo.

Vai ainda ser criado “um centro interpretativo com entrada acessível pela Rua da Prata”. A autarquia já tinha confirmado o desejo de tornar as galerias num museu e de criar o centro interpretativo. E a data está definida: “O Criptopórtico Romano de Lisboa já vai poder ser desfrutado sem filas, nem dias contados, a partir de finais de 2020”.

Se sempre quis visitar as Galerias Romanas e nunca o conseguiu fazer saiba que está a ser criado um centro…

Posted by Câmara Municipal de Lisboa on Sunday, August 4, 2019

Até agora, o espaço era apenas aberto ao público duas vezes por ano. Este ano, o Criptopórtico pôde ser visitado em março e vai voltar a abrir em setembro.

As Galerias Romanas têm 2.000 anos e foram construídas algures entre os séculos I a.C. e I d.C., durante o governo do Imperador Augusto. Foram descobertas após o grande terramoto de 1755 — mais precisamente, 16 anos depois, enquanto a antiga Lisboa era reconstruida. Os arqueólogos não sabem ao certo qual a função que o espaço terá tido, mas, segundo a National Geographic, na parte superior terá existido uma grande praça pública e um fórum de mercadores, que funcionaria como um centro de negócios de Olisipo, a Lisboa romana.

A verdadeira extensão desta estrutura também é ainda desconhecida. De acordo com os arqueólogos, esta infraestrutura deverá ser bastante mais extensa do que os complexos conhecidos e deverão existir mais galerias, tal como outros pontos de entrada. Ainda de acordo com a National Geographic, atualmente podem ser visitadas oito galerias, que se estendem ao longo de cerca de 40 metros, em linha reta.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
História

O azar do museu Salazar /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
284

A ignorância e o fanatismo, que estão na origem dos totalitarismos, combatem-se com a verdade e o conhecimento. A ditadura não se vence com a ignorância, mas com a ciência.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)