Rádio Observador

Facebook

Instagram e WhatsApp vão acrescentar “from Facebook” aos nomes

O Facebook vai dar apelido ao Instagram e ao WhatsApp, mas só será visível nas lojas virtuais. Mudança surge depois de os reguladores iniciarem uma investigação à aquisição das apps pelo Facebook.

O Instagram foi comprado pelo Facebook há sete anos. Dois anos depois, Zuckerberg comprou o WhatsApp

picture alliance via Getty Image

“Instagram from Facebook” e “WhatsApp from Facebook”. Serão estes os novos nomes do Instagram e do WhatsApp agora que o Facebook, que comprou as empresas há sete e cinco anos, respetivamente, decidiu rebatizar as aplicações do universo Facebook Inc. Nada mudará no ícone que aparece nos dispositivos móveis, noticiou o The Verge. Mas são esses os nomes que vai encontrar quem entrar numa loja de aplicações virtual e quiser fazer download do Instagram ou do WhatsApp.

Ao The Information, o primeiro site a noticiar os novos apelidos dessas duas aplicações, uma porta-voz do Facebook explicou que a mudança dos nomes serve para garantir mais transparência à companhia: “Queremos ser mais claros sobre os produtos e serviços que fazem parte do Facebook”, esclareceu Bertie Thomson. Antes de renomear o Instagram e o WhatsApp, o Facebook também já tinha rebatizado o Workplace, uma aplicação de conversas online para empresas.

Os funcionários das aplicações já foram notificados sobre as mudanças previstas para o Instagram e para o WhatsApp. A notícia foi recebida com surpresa, indicou o The Information, por ter chegado numa altura em que os reguladores estão a investigar a compra das aplicações pelo Facebook. Além disso, os funcionários admitem que a independência ao Facebook permitiu-lhes escaparem aos escândalos de violação de privacidade protagonizados pela companhia de Mark Zuckerberg.

A criação do apelido “from Facebook” não é a única estratégia de Mark Zuckerberg para aproximar as aplicações do universo Facebook Inc., explica o The Information. Segundo o site, os responsáveis pelo Direct — a ferramenta do Instagram que permite conversas privadas entre utilizadores — vão passar a trabalhar diretamente com os funcionários do Messenger, o chat do Facebook.

O Instagram foi comprado pelo Facebook em 2012 por mil milhões de dólares, o equivalente a 893 milhões de euros. Dois anos mais tarde, em 2014, também o WhatsApp foi adquirido por 22 mil milhões de dólares, cerca de 20 mil milhões de euros. Ainda na semana passada, a Federal Trade Commission, uma agência governamental norte-americana, anunciou que iria investigar estas compras, noticiou o The Wall Street Journal. Os reguladores suspeitam que o Facebook tenha comprado as duas empresas só depois de se terem tornado rivais da rede social, o que pode ser considerado concorrência desleal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)