Rádio Observador

Futebol

Malcom chegou agora à Rússia, foi vítima de racismo e pode sair já em janeiro: a história de uma novela ainda sem desfecho

274

Depois de ser o golpe do verão passado, Malcom foi agora vítima de racismo por parte dos adeptos do Zenit, que criticaram o clube por não respeitar a "tradição" de não contratar jogadores negros.

Avançado brasileiro tem 22 anos e chegou à Europa através do Bordéus

NurPhoto via Getty Images

Há quem nasça destinado a ser notícia. E Malcom, jogador brasileiro de 22 anos, parece ser um desses casos. Há pouco mais de um ano, depois de dar nas vistas ao longo de três temporadas nos franceses do Bordéus, o avançado começou a ser associado a vários gigantes europeus, impressionados principalmente com os 12 golos que o brasileiro marcou durante 38 jogos em 2017/18 ao serviço de uma equipa que anda há muito arredada das grandes decisões em França. Ora, os italianos da Roma adiantaram-se na corrida por Malcom, acordaram pagar 32 milhões de euros e o Bordéus anunciou de forma oficial que o brasileiro ia rumar a Itália.

Tudo mudou quando, apenas um dia depois, o Barcelona anunciou que Malcom era o mais recente reforço dos catalães. A Roma foi apanhada de surpresa, os adeptos da equipa da capital italiana também e o Bordéus apressou-se a esclarecer que o Barcelona se tinha intrometido na corrida e superado a proposta dos rossoneri. O golpe do verão estava dado e Malcom rumou à Catalunha e a Camp Nou: esteve em 24 jogos ao longo da temporada, marcou quatro golos e foi campeão espanhol. Passou mais de um ano desde a inesperada reviravolta de acontecimentos – e a nova transferência de Malcom está novamente a merecer destaque na imprensa internacional.

No seguimento de uma época em que o Barcelona conquistou a liga espanhola mas falhou novamente o objetivo que continua a ser a Liga dos Campeões – graças à remontada histórica do Liverpool em Anfield que anulou um 3-0 em Camp Nou –, Malcom acabou por ser o sacrificado dos elementos mais ofensivos do plantel de forma a equilibrar as contas. Com a chegada de Griezmann, a permanência de Dembélé, os indiscutíveis Messi e Suárez e o caso de Philippe Coutinho ainda por resolver, os catalães cederam o brasileiro ao Zenit por 40 milhões de euros. Na estreia, este sábado contra o Krasnodar (que é também o adversário do FC Porto na terceira pré-eliminatória da Liga dos Campeões), Malcom foi suplente utilizado e a receção dos adeptos russos ao novo reforço esteve longe de ser a melhor.

“Obrigada aos dirigentes por respeitarem as nossas tradições”, podia ler-se numa tarja irónica levantada pela claque mais extremista do Zenit na altura em que o avançado brasileiro entrou no relvado. Num comunicado oficial divulgado já depois do jogo, a claque do clube russo explicou que o Zenit tem como “tradição” não contratar jogadores negros e é conhecido por isso “no mundo inteiro” e que a decisão da atual direção de apostar em Malcom foi uma falta de respeito para com os adeptos. Numa espécie de resposta oficiosa, o clube recorreu ao Twitter para partilhar um vídeo do momento da entrada do avançado em campo com a legenda “54.078 pessoas a aplaudir em conjunto o nosso novo reforço, Malcom. Vejam por vocês mesmos, não pelas palavras de outros”.

A ressalva do Zenit não impediu o Mundo Deportivo de avançar, logo nas primeiras horas desta segunda-feira, que o clube já ponderava vencer o brasileiro para respeitar o pedido dos adeptos e não criar cisões internas. O jornal espanhol, que citava a agência estatal russa, garantia que Malcom seria colocado no mercado já em janeiro por “problemas relacionados com racismo”. Horas depois de a notícia ser publicada, e tal como havia feito logo depois do comunicado da claque, o Zenit apressou-se a negar os rumores de que já planeia a venda do jogador e garantiu que o brasileiro é “um grande reforço”. Quer saia já em janeiro quer fique na Rússia, a verdade é que Malcom, um ano depois de um dos maiores golpes de teatro dos últimos tempos, volta a ser notícia por motivos pouco habituais.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)