Rádio Observador

Design

Nunca tinham projetado um hotel, mas já arrecadaram quatro prémios com o primeiro

362

O projeto de design do hotel Zero Box Lodge, no Porto, já tinha recebido três prémios, dois internacionais e um nacional. Mais recentemente foi galardoado com um dos chamados “óscares do design".

Tiago Casanova

Foi construído no local onde antes funcionava a antiga fábrica da Camisaria Confiança. Em frente ergue-se o cofre de um antigo banco que também funcionava na rua Ateneu Comercial do Porto. O hotel Zero Box Lodge está de pé desde novembro de 2018 e é tudo menos de convencional, no ambiente que o rodeia, mas também no resto: quartos que são “caixas de madeira”, sem roupeiros e sem televisão, casas de banho com sacos de boxe e tanques no terraço onde se ouve heavy metal debaixo de água.

Certo é que o design é apenas uma das partes integrantes que faz do espaço uma construção atípica, mas o estúdio que lhe projetou o design, Atelier d’Alves, já somou quatro prémios pelo projeto que desenvolveu.

O mais recente é um dos considerados “óscares do design”, os prémios Red Dot Design Awards. O júri internacional escolheu o projeto “The Zero Hotel – Porto” como um dos vencedores na categoria “Brands and Communication”. Os prémios Red Dot Awards já contam com mais de 60 edições e avaliam projetos de mais de 50 países de todo o mundo. Os de 2019 serão entregues em novembro numa cerimónia no Red Dot Design Museum, em Essen, na Alemanha.

Mas antes deste último, nos últimos três meses a equipa já tinha recebido outras três distinções. “The Zero Hotel – Porto” valeu bronze em “Design de Sinalética”, pelo Clube Criativos de Portugal, o Award of Excellence no Design Annual 2019, na categoria de “Environmental Graphics”, pela revista americana Communication Arts, e prata no Graphis Design Annual, de Nova Iorque, também na categoria “Environmental”.

A equipa de designers que o projetou recebeu o convite com entusiasmo. A equipa, mais habituada a projetos ligados à cultura, como livros ou cartazes, nunca antes tinha projetado o design de um hotel. Para Sérgio Alves, diretor de Arte do Atelier d’Alves, esse ponto até jogou a seu favor porque “poderia ser contraproducente sermos o típico estúdio que faz hotéis a torto e a direito”. Quiseram fazer diferente e “desde o logótipo do hotel até ao pormenor da sinalética da casa de banho, a sinalética de orientação, das cápsulas (quartos) e da entrada até o mapa do hotel orientando os hóspedes para os seis pisos”, tudo ao longo de um ano e meio de trabalho conjunto com a arquitetura e a decoração teve de resultar num uníssono.

Ao Observador, Sérgio Alves explica recusa-se a realçar elementos de design em detrimento de outros. “Eu acho que o projeto ganhou [o prémio] exatamente por avaliarem o todo”.

Os prémios vêm validar o trabalho criativo e confirmar, nas palavras do designer e professor, “um casamento feliz” com o resto da equipa, esforçada por desgarrar o projeto de um lado “intragramável” que segue “definições fáceis para chamar a atenção”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jascensao@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)