Um inquérito divulgado esta segunda-feira revela que os portugueses se tornaram, num ano, mais pessimistas em relação à situação económica do país, que na maioria considera “má”. Também estão mais preocupados com questões como saúde, segurança social, ou custo de vida.

Em causa está o Eurobarómetro de primavera divulgado esta segunda-feira sobre a vida nos Estados-membros da União Europeia (UE), incluindo Portugal, que teve por base 1.008 entrevistas presenciais feitas no país entre os dias 08 e 18 de junho.

Questionados sobre a perceção da situação económica no país, 61% dos inquiridos portugueses, classificou-a como “má”, enquanto 37% a qualificou como “boa”, sendo que, em ambos os casos, houve uma subida nos resultados (de um 1%) relativamente ao Eurobarómetro divulgado no período homólogo anterior, há um ano. Os restantes (2%) optaram por não responder.

A contribuir para esta perceção estão fatores como a situação do respetivo agregado familiar ou a respetiva situação laboral. Já questionados sobre as principais preocupações em Portugal, 34% dos inquiridos apontou a saúde e segurança social, ao passo que 27% referiu o aumento dos preços e o custo de vida.

Outras questões evidenciadas foram a situação económica (22%) e o desemprego (18%).

Em relação aos principais desafios para a UE, 29% dos inquiridos portugueses referiu o terrorismo, 27% apontou o estado das finanças públicas e 18% falou na situação económica e na imigração.

No que toca à confiança nas instituições, 55% dos portugueses indicou não confiar no Governo nacional, contra 42% que mostrou confiança.

Estes números pioram, se em causa está a confiança no parlamento português, com 59% a afirmar que não confia na Assembleia da República e outros 37% a garantir que o faz.

Em relação à UE, são mais os inquiridos portugueses a afirmar que confiam nas instituições comunitárias (57%) do que os que dizem não o fazer (33%). Acresce que 60% dos portugueses assinala ter uma imagem positiva da UE, contra 34% que tem uma opinião neutra e 5% que fala numa má perceção.

Como justificação para esta imagem estão fatores como a livre circulação para residir, estudar e trabalhar dentro da UE, a moeda única (euro) e ainda o mercado único. Por isso, 84% dos inquiridos garante sentir-se como um cidadão da UE, contra 16%, que sentem o oposto.

Ao todo, para este Eurobarómetro, foram realizadas 27.464 entrevistas nos 28 Estados-membros da UE.

Tendo em conta as respostas dadas, as principais preocupações nacionais dos cidadãos europeus são o desemprego, o custo de vida e a segurança social, enquanto os maiores desafios para a UE são, segundo os inquiridos, a imigração, as alterações climáticas e o estado das finanças públicas dos países.