A câmara de Braga vai criar 90 lugares de parqueamento para trotinetes e bicicletas para tornar a cidade “mais humanizada, menos poluente e mais inclusiva”, priorizando os meios de mobilidade suaves, anunciou esta terça-feira a autarquia.

Em comunicado enviado à Lusa, a Câmara Municipal de Braga anuncia que a partir deste mês de agosto vai ser possível alugar trotinetes elétricas e que daqueles 90 lugares cerca de 25 destes “já são visíveis” em toda a cidade.

“Assiste-se ao surgimento e reaproveitamento de outras formas de transporte menos tradicionais, inovadoras e limpas, que dão respostas seguras, práticas e confortáveis à necessidade de deslocação dentro da cidade”, refere no texto o vereador com a o Pelouro da Gestão do Espaço Público, João Rodrigues.

Segundo explica a autarquia, “a decisão foi alvo de um estudo aprofundado “tendo em conta a realidade de outras cidades que já adotaram esta medida.

“Podíamos ter permitido a instalação deste serviço há mais tempo, como aconteceu noutros municípios, mas temos uma forma de trabalhar diferente: preferimos precaver-nos, aprendendo com alguns dos problemas constatados noutras cidades e, no caso de Braga, foi o município a ditar as regras“, explica João Rodrigues.

João Rodrigues refere ainda que está a ser desenvolvido “um plano estruturado” para melhorar a mobilidade em Braga que abrange todas a áreas.

“Estamos todos, no Executivo, a repensar a cidade de forma estratégica e estruturada. (…) Parámos, articulámos com técnicos e especialistas e criámos um plano estruturado, pragmático e viável para as características que a Cidade apresenta, favorecendo o uso de modos suaves de circulação. Por isso, não nos limitámos a colocar trotinetes na rua”, aponta o vereador.

Os lugares “a converter” têm, através de sinalização vertical, a proibição de serem utilizados por automóveis, sendo a totalidade da sua área é pintada em cor bordeaux, para que se associem facilmente à cor que será utilizada genericamente em pistas clicáveis e, sobre os mesmos, são pintados pictogramas indicativos da função a que se destinam.

Nestes lugares serão também instalados bicicletários para facilitar o estacionamento das bicicletas.

“Os primeiros veículos deverão entrar em circulação já em meados de agosto através de um operador com serviço de partilha destes veículos (…). Optámos por enquadrar estes lugares em locais estratégicos, como as proximidades de escolas, na zona mais central, junto a locais de concentração de atividades económicas e nos pontos de entrada do anel central da cidade”, assinala.

O vereador refere ainda que o conceito da ‘Red Zone’, zona de circulação vedada, explicando que conforme a realidade da cidade, foram criadas zonas em que a circulação deve ser limitada e vedada, existindo a obrigação de redução da velocidade máxima da trotinete nas proximidades desses locais e o bloqueio das rodas no interior das áreas assinaladas como de circulação proibida“.

Esta definição será ajustável ao longo do período de permanência do serviço, podendo ser alterada de acordo com o conhecimento mais aprofundado das mais-valias ou inconvenientes que os veículos possam introduzir no sistema de mobilidade da Cidade.

“As vantagens do uso das trotinetes elétricas são óbvias e apresentam um grande potencial positivo nas cidades. Com uma forma de transporte eficiente, um custo energético baixo, ocupando pouco espaço e através dos sistemas automatizados, é possível adequar a sua circulação à melhor convivência com o peão e não necessitam de grande investimento em adaptação ou em novas infraestruturas”, conclui João Rodrigues.