Rádio Observador

Estados Unidos da América

Política republicana culpa homossexuais por tiroteios. Presidente do partido no Ohio pede a demissão

726

Eleita para a câmara estadual acusou homossexuais, drag queens, famílias sem pais, entre outros, de serem culpados pelos tiroteios. Presidente do partido naquele estado pediu que se demitisse.

Candice Keller foi eleita congressista pelo estado do Ohio

Facebook

Candice Keller, congressista estadual na Câmara dos Representantes do estado do Ohio (Estados Unidos), disse numa publicação do Facebook que a culpa dos tiroteios (como os que aconteceram este fim de semana) é dos transgéneros e homossexuais, de quem fuma marijuana e até de Obama e dos atletas profissionais. Jane Timken, presidente do Partido Republicano no Ohio, criticou as declarações e pediu a demissão da representante, noticiou o jornal The New York Times.

“A publicação de Candice Keller no Facebook foi chocante e totalmente injustificável”, disse Jane Timken, em comunicado, citado pelo The New York Times. “A nossa nação está a sofrer com estes atos de violência sem sentido e os funcionários públicos deviam trabalhar para unir as nossas comunidades, não para as dividir. Peço que Candice Keller se demita.

A congressista apagou a publicação onde também colocava as culpas nas fronteiras abertas, apesar de o atirador de El Paso ser americano e ter disparado contra hispânicos. O grupo do Facebook Ohioans Against Candice Keller (Habitantes do Ohio Contra Candice Keller) guardou uma imagem da mensagem. Aliás, o grupo tem uma série de publicações críticas à política republicana.

Publicação de Candice Keller no Facebook, entretanto apagada — Facebook

“Depois de cada tiroteio, os liberais começam a atirar culpas. Porque não colocar a culpa onde ela pertence?

A quebra da família tradicional americana (obrigada transgéneros, homossexuais e defensores das drag queen); famílias sem pai, um assunto que ninguém discute ou considera ser relevante; ignorar videojogos violentos; leis frouxas contra criminosos (fronteiras abertas); aceitar a marijuana recreativa; políticas escolares falhas (olá pais que defendem alunos mal-comportados); desrespeito pelas forças de autoridade (obrigada Obama); ódio pelos nossos veteranos (obrigada atletas profissionais que odeiam a nossa bandeira e hino nacional); o congresso democrata com muitos membros declaradamente anti-semitas; a cultura, que ignora a importância de Deus e da Igreja (até elegerem um Presidente); funcionários do Estado que não têm qualquer interesse em aprenderem sobre a nossa Constituição e a Segunda Emenda; e os flocos de neve que não conseguem aceitar um Presidente devidamente eleito.

Esqueci-me de alguém? A lista é longa. E a fúria vai continuar.”

O comentário mereceu comentários negativos tanto de democratas como de republicanos. Michael Ryan, vice presidente da câmara de Hamilton, no condado de Butler, também criticou a congressista eleita naquele condado. O republicano disse que era uma “declaração ridícula”.

*Notícia corrigida às 19h50 para esclarecer o cargo de Candice Keller. A política republicana foi eleita para a Câmara dos Representantes do estado do Ohio e não para o Congresso nacional pelo estado do Ohio

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)