Rádio Observador

Donald Trump

Estados Unidos congelam ativos do Governo venezuelano

242

Os Estados Unidos congelaram todos os ativos do Governo venezuelano. Trump fez referência à "usurpação" do poder de Maduro e abusos dos direitos humanos.

A proibição de se efetuar qualquer negócio com o Governo da Venezuela também entra em vigor imediatamente

JIM LO SCALZO/EPA

Os Estados Unidos congelaram todos os ativos do Governo venezuelano, uma decisão anunciada pela Casa Branca esta segunda-feira que traduz uma escalada das tensões com o líder socialista Nicolás Maduro.

A proibição aos norte-americanos de efetuarem quaisquer negócios com o Governo da Venezuela também entra em vigor imediatamente.

A ordem executiva assinada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump, citou a “usurpação” do poder de Maduro e abusos dos direitos humanos por parte daqueles que lhe são leais.

A decisão fica aquém de um embargo comercial imediato, mas ilustra a intensificação dos esforços dos EUA para remover Maduro do cargo desde que o Governo Trump reconheceu em janeiro o líder da oposição Juan Guaidó como o Presidente legítimo da Venezuela.

Sanções anteriores tiveram como alvo a indústria petrolífera da Venezuela, a fonte da maior parte das receitas de exportação do país.

Situação na Venezuela vai ser debatida esta terça-feira em Lima

Por outro lado, o governo peruano convidou dezenas de países a fazerem-se representar esta terça-feira numa conferência internacional para debater a situação na Venezuela, num evento em que Portugal estará representado pelo embaixador em Lima.

Segundo o chefe da diplomacia peruana, Nestor Popolizio, o encontro visa falar sobre “a melhor maneira de recuperar a democracia na Venezuela” e examinar o impacto gerado pela migração massiva de venezuelanos para os países vizinhos.

Popolizio declarou que os convites para essa reunião -, a qual o Peru aceitou sediar durante uma reunião do Grupo de Lima (países americanos que formaram um grupo para debater e acompanhar a atual crise económica, política e social na Venezuela), realizada em abril no Chile – foram feitos ao nível dos ministros dos Negócios Estrangeiros, incluindo o Vaticano.

Em declarações à Lusa, o ministro dos Negócios Estrangeiros português Augusto Santos Silva confirmou a presença de Portugal e admitiu contactos com outros países sobre o assunto.

A conferência de Lima vai reunir chefes da diplomacia e representantes de uma centena de países, indicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros peruano num comunicado.

Vários países da América Latina reunidos no denominado Grupo de Lima defendem, como os Estados Unidos, pressões diplomáticas e económicas para forçar o Presidente Nicolás Maduro a convocar eleições e permitir uma saída negociada da crise.

A 30 de abril, um grupo de militares declarou desobediência ao regime de Nicolás Maduro e decidiu apoiar o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, autoproclamado Presidente interino do país e já reconhecido por meia centena de países, incluindo Portugal.

Os militares apelaram, sem sucesso, à população para saírem em apoio à oposição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)