Rádio Observador

Insólito

Nesta aldeia do Fundão, os CTT estão dentro de uma capela

442

Em Aldeia Nova do Cabo, os CTT e os serviços de atendimento da freguesia estão desde 2014 a funcionar numa capela. A santa "protege-nos", dizem os funcionários. Críticas são "da silly season".

Esta foi a imagem que correu as redes sociais, onde se vê a imagem de Nossa Senhora de Fátima ladeada por dois caixotes dos CTT

Fernando Ambrósio/Facebook

Há uma aldeia no Fundão, distrito de Castelo Branco, onde o atendimento ao público da Junta de Freguesia e o serviço de correios acontece dentro de uma capela com a imagem de Nossa Senhora de Fátima. Até 2014, esses serviços funcionavam no primeiro andar do edifício da autarquia, em Aldeia Nova do Cabo. A partir desse ano, para facilitar o acesso dos idosos às instalações, o atendimento e os CTT passaram para o rés-do-chão, onde fica uma capela que em tempos pertenceu ao Conde de Aragão e Tondela.

Em declarações ao Jornal do Fundão, que conta o insólito, Manuel Malícia Trindade, presidente da freguesia, explica que a capela costumava acolher o Museu da Música, que a banda local usava para ensaiar. Depois, “por forma a facilitar o acesso das pessoas”, a disposição do edifício foi alterada: o museu passou para o primeiro andar; e o atendimento ao público e os CTT foram colocados na capela.

Em 2014, a capela já não era usada para oração há longos anos. Mas como a imagem de Santa Cecília que estava originalmente na capela foi entregue à banda da freguesia e passou para o primeiro andar, onde fica o museu, por ser a padroeira dos músicos, o presidente decidiu comprar uma imagem de Nossa Senhora de Fátima para a substituir. “União de Freguesias de Fundão, Valverde, Donas, Aldeia de Joanes e Aldeia Nova do Cabo”, justificou o autarca ao jornal local.

Segundo Malícia Trindade, os cidadãos “agradeceram muito a mudança”, que já aconteceu há cinco anos mas que se tornou mais conhecida país fora após a publicação de uma imagem da capela nas redes sociais por Fernando Ambrósio, um dos funcionários dos CTT. A imagem mostra embalagens de cartão ao lado da imagem da Nossa Senhora de Fátima, como pode ver aqui em baixo. E brinca com a situação: “CTT numa capela privada? Já havia correio normal, azul, registado, etc. Passou a haver correio abençoado? Paga-se o porte e reza-se para que os CTT voltem à esfera pública”.

Fernando AmbriosoNão não é brincadeira de mau gosto, nem se trata de um milagre…O posto dos CTT em Aldeia Nova do…

Posted by António Carvalho on Wednesday, July 17, 2019

O presidente da Junta já respondeu às provocações: “Para que as pessoas entendam, este edifício é todo da junta de freguesia e a capela faz parte. E por uma questão de acessibilidades passou-se o atendimento da freguesia e do posto dos CTT do primeiro piso para o rés do chão”. A seguir, desvaloriza as críticas: “As pessoas da aldeia aceitaram a mudança, feita em 2014, sem quaisquer problemas e até gostam porque olham mais vezes a capela privada”, garante o autarca ao Jornal do Fundão.

“Estou sempre protegido e sempre guardado”

Embora se diga surpreendido com a dimensão que a publicação sobre esta capela tomou, Malícia Trindade não se queixa da fama que a imagem levou a Aldeia Nova do Cabo: “Desde que a imagem foi publicada que mais pessoas estão a ir às nossas instalações e aproveitam para visitar o nosso Museu da Música. Se isto servir para atrair pessoas, então que seja”. No entanto, em entrevista à Renascença, diz acreditar que é tudo produto da “silly season”: “Agora não há futebol, tem que se falar noutras coisas”, comenta.

Para o presidente da freguesia, não há nada de errado em colocar um secretariado autárquica dentro de uma capela: “O Convento do Seixo, em ruínas aos anos, há pouco tempo fui lá almoçar… Foi um almoço celestial, porque a zona de refeição e bar é na própria capela. Não vai nenhum mal ao mundo quando estes edifícios são reparados em benefício das pessoas”, defendeu em conversa com a Renascença.

A presença da imagem de uma santa nas instalações da Junta de Freguesia também não incomoda os funcionários, conta Ricardo Fernandes: “Nunca ninguém questionou a presença da Nossa Senhora de Fátima, oferecida pelo presidente da Junta. Estou sempre protegido e sempre guardado”. E especula: “Isto deve ter surgido de alguma motivação eleitoral”.

A população parece concordar. Maria da Conceição, de 70 anos, afirmou à Renascença que os serviços “estão bem instalados”: “Dá-nos muito jeito. Eu venho do Fundão pagar aqui o telefone. Vimos aqui medir a tensão, os diabetes, buscar as reformas, sou abençoada em todo o lado, vou pedir a Deus para não tirarem nada da capela”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)