Rádio Observador

Portugal Fashion

Portugal Fashion quer criar comité com ModaLisboa para selecionar ‘designers’

O presidente da ANJE, José Pedro Freitas, revelou que estão a trabalhar com a ModaLisboa para criar uma "espécie de comité", com académicos e outros elementos do setor.

O "novo ciclo" do Portugal Fashion passa pela transparência e também por mais ações conjuntas com a ModaLisboa

JOSÉ COELHO/LUSA

O plano de ação do Portugal Fashion para 2019-2021 vai passar pela criação de um comité de seleção de ‘designers’ em conjunto com a ModaLisboa, avançou nesta terça-feira o presidente da Associação Nacional de Jovens Empresários (ANJE).

“Vamos tentar que, cada vez mais, todo o processo de seleção de escolha e de diálogo com os ‘designers’ seja o mais transparente, o mais objetivo possível”, declarou o presidente da ANJE, José Pedro Freitas, revelando que estão a trabalhar com a ModaLisboa para criar uma “espécie de comité”, com académicos e outros elementos do setor, que ajudem a selecionar quais os mercados mais interessantes para os criadores de moda escolhidos apresentarem as suas coleções.

Em entrevista à Lusa no âmbito da nova candidatura a fundos comunitários do Portugal Fashion para 2019-2021, o presidente da ANJE, responsável pelo projeto, assume que o “novo ciclo” passa pela transparência e também por mais ações conjuntas com a ModaLisboa, aliando “criatividade e sucesso comercial”.

“A transparência, na prática, vai ser executada pelos critérios predefinidos pelas entidades que organizam os desfiles de moda internacionais e terão de fazer parte do processo de seleção […]. A capacidade e a evidência da atividade comercial reconhecida é tipicamente um dos fatores comuns nos critérios dessas mesmas entidades”, observou.

Em abril passado, vários ‘designers’ portugueses pediram “mais comunicação” ao Portugal Fashion, criticando a falta de estratégia e de transparência da estrutura e afirmando que a comunicação entre as partes envolvidas era “insuficiente” e que os convites para desfiles nas semanas da moda internacionais eram lançados em cima da hora.

O Portugal Fashion está neste momento a estruturar, com a ModaLisboa, todo o processo de definição e de seleção que vai passar pelo estabelecimento de alguns indicadores, quer de abrangência nos mercados internacionais, quer de pontos de venda, quer de experiências de execução de feiras e eventos na área da moda, explicou José Pedro Freitas.

O responsável da ANJE disse ainda que os especialistas a compor o comité conjunto serão, por exemplo, académicos do setor e promotores de moda, como “influenciadores” nas redes sociais, ‘bloggers’ e ‘marketeers’ com experiência sobretudo nos mercados internacionais e com marcas reconhecidas.

“Em qualquer processo de seleção vai haver pessoas satisfeitas e outras insatisfeitas”, mas o presidente da ANJE deixa vincado que há um orçamento e há um “conjunto de regras e definições das próprias entidades que organizam os eventos internacionais que se têm que cumprir”, havendo limite para o acesso por parte dos ‘designers’.

No âmbito do novo plano de ação para o triénio 2019-2021, a primeira ação conjunta de promoção da moda portuguesa entre o Portugal Fashion e a ModaLisboa vai acontecer já no próximo mês de setembro, em Paris (França), e será uma “apresentação” e não um desfile de moda, disse fonte da organização, sem revelar data e local.

Outra das novidades em que o Portugal Fashion vai apostar no futuro é o mercado em Xangai (China) que é visto pela estrutura “como em forte expansão” e porque podem surgir “várias oportunidades de negócio para os ‘designers’ e marcas portuguesas”.

A ANJE apresentou a nova candidatura a 12 de julho e, segundo o presidente da ANJE, o novo apoio deverá voltar a sofrer cortes em relação aos apoios anteriores.

“Esta tendência para os fundos serem cada vez mais curtos explica-se com dois motivos. Um prende-se por uma decisão da própria União Europeia, relativamente à afetação dos seus recursos, mas também pelo facto de a UE ser hoje um conjunto mais alargado de países, e alguns com necessidades adicionais face às que Portugal tem”, observou.

Com recursos “mais escassos”, a ANJE vê-se assim obrigada a que haja “maior alinhamento” e “maior concertação”. “No fundo, é ser mais eficiente na utilização desses recursos”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)