Os portugueses estão a fazer cada vez mais queixas sobre as compras online em Portugal. O número de reclamações no Portal da Queixa aumentou quase 70% num só ano, noticia o Jornal de Notícias esta terça-feira.

Nos primeiros sete meses de 2018, o Portal da Queixa registou 536 reclamações de portugueses que fizeram compras na internet. Já até julho deste ano, o número subiu para 903: mais 367 consumidores insatisfeitos. Envio dos produtos errados e problemas nas trocas ou devoluções representam a maior parte das reclamações com a Worten em primeiro lugar, com 667 entradas no portal. Surge depois a Fnac e, em terceiro, a Pixmania.

Um dos problemas que surgem com estas vendas prende-se com o facto de os marketplaces não se responsabilizarem por qualquer problema ou conflito depois da venda, remetendo para o vendedor toda a responsabilidade. Ao JN, Paulo Fonseca, coordenador do departamento jurídico e económico da DECO, defende que deve ser criada uma lei para estabelecer essa responsabilidade.

Ainda segundo o mesmo jornal, a DECO analisou vários marketplaces e concluiu que os consumidores portugueses não encontram nas lojas as condições de venda. Assim, ficam confusos e não sabem como agir em caso de problemas.