Rádio Observador

Estatística

Número de candidatos à primeira fase de acesso ao ensino superior aumentou 3,4%

A primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao ensino superior público registou 51.291 inscrições, um aumento de 3,4% em relação a 2018. Destas, 7.507 são de alunos estrangeiros.

Regista-se um aumento de 1.666 candidatos na primeira fase, face a 2018

PAULO NOVAIS/LUSA

O número de candidatos à primeira fase de acesso ao ensino superior aumentou 3,4% este ano, em relação a 2018, anunciou esta quarta-feira o Gabinete do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A mesma tendência é observada ao analisar o número de estudantes estrangeiros que optam pelo ensino superior português, que cresceu perto de 50% nos últimos quatro anos.

A primeira fase do Concurso Nacional de Acesso (CNA) ao ensino superior público no ano letivo de 2019-2020 registou 51.291 inscrições, o que representa um aumento de 1.666 candidatos face a 2018 (49.625 alunos), um valor registado pela Direção-Geral do Ensino Superior até às 00h00 desta sexta-feira, pode ler-se no comunicado.

O aumento de candidatos nesta fase do acesso ao ensino superior público representa um sinal positivo na evolução registada ao longo dos últimos anos, designadamente em termos do alargamento da base social do ensino superior e da ambição de garantir que seis em cada dez jovens de 20 anos frequentem o ensino superior em 2030″, segundo a mesma nota.

“Os últimos dados oficiais mostram que, atualmente, cerca de 46% dos jovens de 20 anos frequentam o ensino superior, enquanto essa fração era apenas de 40% em 2015 e de cerca de 30% em 2005″, de acordo com o Gabinete do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Também o número de estudantes estrangeiros no ensino superior aumentou. Os números registados representam um crescimento de 48% nos últimos quatro anos. Atualmente existem cerca de 50 mil alunos estrangeiros no ensino superior, que representam agora 13% do total de estudantes.

Por outro lado, assinala-se que “os últimos dados registados sobre a procura de estudantes internacionais mostram um aumento de 36% das candidaturas de alunos estrangeiros validadas pelas instituições de ensino superior”, sendo que se registavam 7.507 candidatos a 18 julho de 2019, um crescimento apurado em comparação com igual período de 2018.

“Com base nas evoluções dos últimos anos, é expectável que a procura de estudantes internacionais continue a aumentar até ao final outubro, quando terminam as colocações desses estudantes”, sustenta-se na mesma nota.

“É ainda de notar que o contingente de emigrantes aumentou, desde já, em 66%, tendo atingido 538 candidatos para iniciarem estudos no Ensino Superior em Portugal no ano letivo de 2019-2020 (enquanto eram 324 em 2018)”, destacou ainda o Gabinete do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

Os números oficiais assinalam também um crescimento no número de estudantes inscritos pela primeira vez em instituições de ensino superior públicas e privadas nos últimos quatro anos: de 87 mil, no ano letivo 2014/2015, para os 103 mil em 2018/2019.

Por outro lado, sublinha-se que os números validam também o objetivo de se atingir até ao final da próxima década a meta de 50% de graduados entre a população entre os 30 e os 34 anos.

Os resultados da primeira fase do CNA serão divulgados a 9 de setembro. O CNA ao ensino superior inclui ainda mais duas fases: a segunda entre 09 e 20 de setembro, a terceira de 03 a 07 de outubro.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Racismo

Portugal não era nem é racista

João Pedro Marques

Será o racismo um problema real, tanto no tempo de Vasco Santana como agora, ou foi a nossa noção de racismo que mudou a tal ponto que tendemos a chamar racismo a coisas que o não eram e o não são? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)