Rádio Observador

Moçambique

Petrolífera estatal moçambicana prevê empréstimo até setembro para projetos de gás

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos de Moçambique vai concluir o seu financiamento em setembro para participar no projeto de exploração de gás liderado pela norte-americana Anadarko.

Zsolt Czegledi/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (ENH) de Moçambique vai concluir o seu financiamento em setembro para participar no projeto de exploração de gás liderado pela norte-americana Anadarko, disse esta quarta-feira a direção da empresa.

Segundo Omar Mithá, presidente do conselho de administração da ENH, prevê-se que o fecho financeiro para a operação seja feito “no mês de setembro”.

O gestor falava em Maputo, à margem de uma aula de sapiência sobre a indústria de petróleo e gás para estudantes da Universidade Pedagógica.

Em julho, a ENH anunciou que tinha decido adiar para o final do ano a angariação de 2,3 mil milhões de dólares (cerca de dois mil milhões de euros), destinados a financiar a sua participação nos megaprojetos do gás natural.

A ENH faz parte do consórcio de exploração de gás natural liderado pela norte-americana Anadarko e, ao abrigo do contrato, tem de financiar a sua participação no projeto avaliado em 25 mil milhões de dólares (21,97 mil milhões de euros).

O presidente da empresa disse que o financiamento será feito através de um sindicato bancário, com bancos de importação e exportação da China, Japão, Coreia do Sul, Europa e dos bancos comerciais de Moçambique.

O Governo de Moçambique já tinha emitido uma garantia soberana sobre esta operação, mas o facto de estar em incumprimento financeiro relativamente aos títulos de dívida pública, no valor de 727,5 milhões de dólares (649 milhões de euros), e não ter pago os dois empréstimos contraídos por empresas públicas torna o recurso da ENH aos mercados mais caro.

O presidente da ENH assegurou esta quarta-feira que vai recorrer a empréstimos em condições “muito melhores” para participar no projeto de exploração de gás liderado pela petrolífera italiana Eni e Exxon Mobil no norte do país.

“Para a Área 4 [a ENH], vai recorrer ao mesmo procedimento [empréstimo bancário], e está nos acertos finais e vai garantir muito melhores condições do que a Área 1 [concessionada à Andarko]”, disse Omar Mithá.

O anúncio da Decisão Final de Investimento (FDI, na sigla inglesa) na Área 4 está previsto para este mês.

O presidente da empresa reconheceu haver uma demora na FDI, justificando a situação com os “vários fluxos de trabalho, que tem a ver com a venda e financiamento”.

“Não significa que está parado, o trabalho está a acontecer”, disse, sem divulgar os valores envolvidos.

Omar Mithá afirmou ainda que o Estado moçambicano já acautelou as questões de segurança na bacia do Rovuma, província de Cabo Delgado, norte de Moçambique.

A região tem sido assolada por ataques de grupos armados, desde outubro de 2017.

O consórcio liderado pela ENI e Exxon Mobil está a construir uma plataforma flutuante com capacidade para produzir 3,37 milhões de toneladas de gás natural liquefeito também na Bacia do Rovuma.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)