Rádio Observador

Acidentes e Desastres

A1: colisão de camiões faz um morto e atropela dois bombeiros

Uma pessoa morreu e 3 ficaram feridas num acidente com 4 veículos na A1 em Santarém. Dois carros colidiram. Quando uma viatura dos bombeiros parou para ajudar, acabou abalroada por outro carro.

NUNO VEIGA/LUSA

Dois bombeiros ficaram feridos, um deles em estado grave, atropelados na noite de terça-feira por uma viatura ligeira na Autoestrada A1, em Santarém, após uma colisão entre dois pesados de que resultou um morto, informou a Proteção Civil.

De acordo com fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, o acidente entre os dois veículos pesados aconteceu ao quilómetro 61 da A1, no sentido norte-sul, na zona de Póvoa da Isenta, provocando um morto, ocupante de uma das viaturas sinistradas, e um ferido ligeiro.

Segundo a mesma fonte, após a colisão dos veículos pesados uma ambulância da corporação de Pernes, também no distrito de Santarém, “que transportava uma pessoa para Lisboa”, parou na via, os dois bombeiros saíram do veículo de emergência e “foram atropelados” por uma viatura ligeira.

“Um ficou ferido com gravidade e o outro é ferido ligeiro”, adiantou a fonte do CDOS de Santarém.

A mesma fonte acrescentou que a viatura ligeira não chegou a colidir com a ambulância ou com os dois veículos pesados sinistrados e que os três feridos foram transportados para o Hospital de Santarém.

Devido ao acidente, cujo alerta foi dado às 23h13 de terça-feira, a A1 esteve cortada ao trânsito no sentido norte-sul entre os nós de Santarém e do Cartaxo, até às 4h00.

No local, nas operações de emergência e remoção dos veículos acidentados estiveram 27 operacionais, apoiados por 11 viaturas.

(Artigo atualizado às 8h22 com a informação do restabelecimento da circulação na A1.)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)