Rádio Observador

Salários

Remuneração bruta mensal por trabalhador subiu 3,4% para 1.180 euros no 2.º trimestre

A remuneração bruta mensal média por trabalhador registou um acréscimo homólogo de 3,4%, passando de 1.141 euros em junho de 2018 para 1.180 euros em junho de 2019.

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A remuneração bruta mensal média por trabalhador aumentou 3,4% no segundo trimestre deste ano, relativamente ao mesmo período de 2018, para 1.180 euros, acelerando ligeiramente face ao trimestre anterior, divulgou esta quinta-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Em junho de 2019 (trimestre terminado em junho de 2019), a remuneração bruta mensal média por trabalhador registou um acréscimo homólogo de 3,4%, passando de 1.141 euros em junho de 2018 para 1.180 euros em junho de 2019. Esta variação corresponde a uma ligeira aceleração, de 0,1 pontos percentuais, do crescimento observado em março de 2019 (3,3%)”, refere o instituto estatístico.

A remuneração bruta regular mensal média por trabalhador (que exclui, entre outras componentes salariais, os subsídios de férias e de Natal e tem, por isso, um comportamento menos sazonal), registou também um acréscimo homólogo de 3,4%, passando de 923 euros em junho de 2018 para 954 euros em junho de 2019.

De acordo com os dados do INE, também esta componente registou uma aceleração – mas maior – do crescimento em relação a março de 2019 (mais 0,3 pontos percentuais), na sequência de uma tendência de aceleração já iniciada em dezembro de 2017.

Em termos reais, isto é, descontando o efeito da inflação medida pelo índice de preços no consumidor (IPC), a remuneração total registou um acréscimo homólogo de 2,9% e a remuneração regular registou um acréscimo homólogo de 2,8%.

Por setores de atividade, a remuneração total variou em junho entre 787 euros nas atividades da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca e 3.372 euros nas atividades da eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio.

Por seu turno, a remuneração regular variou entre 653 euros nas atividades administrativas e dos serviços de apoio e 2.521 euros nas atividades da eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio.

Em relação ao período homólogo de 2018, a maior variação da remuneração total foi observada nas atividades da educação (6,0%), seguida da dos transportes e armazenagem (4,8%) e da do alojamento, restauração e similares (4,3%).

Quanto à remuneração total nas atividades financeiras e de seguros e nas da eletricidade gás, vapor, água quente e fria e ar frio, permaneceu quase inalterada (0,2%), enquanto as maiores variações da remuneração regular aconteceram nas atividades de transportes e armazenagem (6,3%) e da educação (5,8%) e a menor foi registada nas atividades financeiras e de seguros (0,8%).

Analisando a evolução das remunerações e do emprego nos últimos cinco anos, o INE reporta que, entre o primeiro semestre de 2014 e o primeiro semestre de 2019, a remuneração total aumentou 10,2% em termos nominais e 6,1% em termos reais, passado de 1.024 euros para 1.128 euros. No mesmo período, a remuneração regular aumentou 9,9% em termos nominais e 5,8% em termos reais, evoluindo de 867 euros no primeiro semestre de 2014 e 952 euros no primeiro semestre de 2019.

Do primeiro semestre de 2014 ao primeiro semestre de 2019, o número de trabalhadores aumentou 23,2% e a remuneração total aumentou 10,2%, sendo que os setores de atividade que registaram aumentos mais elevados do que no total da economia (simultaneamente na remuneração total e no número de trabalhadores) foram as atividades imobiliárias e o alojamento, restauração e similares, com crescimentos de 48,0% e 46,1% no pessoal ao serviço, respetivamente.

Já os setores de atividade cujas variações da remuneração e do emprego foram ambas inferiores às nacionais foram a eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio, as atividades financeiras e de seguros e, em menor grau, as outras atividades de serviços.

O INE procede ainda a uma análise, por setor de atividade económica, da relação entre o salário mínimo nacional e a remuneração regular, reportando que, entre o primeiro semestre de 2014 e o mesmo período de 2019, a Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG) registou um aumento nominal de 23,7% (de 485 euros para 600 euros) e real de 19,2%, enquanto a remuneração regular aumentou 9,9% em termos nominais e 5,8% em termos reais.

Segundo nota o instituto estatístico, a relação entre a RMMG e a remuneração regular “revela uma grande heterogeneidade entre setores de atividade, a qual se caracteriza também por uma elevada persistência temporal”, tendo alguns setores um salário médio muito próximo da RMMG, enquanto outros praticam um salário médio equivalente a mais de quatro vezes o salário mínimo.

Assim, no primeiro semestre de 2019 eram três as atividades em que a RMMG correspondia a mais de 4/5 da remuneração regular média: as atividades administrativas e dos serviços de apoio (92,1%), a agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca (89,8%) e o alojamento, restauração e similares (87,4%).

Pelo contrário, em três atividades a RMMG correspondia a menos de 2/5 da remuneração regular: eletricidade, gás, vapor, água quente e fria e ar frio (23,9%), atividades financeiras e de seguros (29,3%) e atividades de informação e comunicação (37,5%).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)