O Supremo Tribunal Federal do Brasil suspendeu nesta quinta-feira a transferência do ex-Presidente Lula da Silva, que está a cumprir oito anos e 10 meses de prisão em Curitiba, para um estabelecimento prisional no Estado de São Paulo.

Na deliberação, aprovada por 10 votos a favor e um contra, o Supremo atendeu a um pedido da defesa do antigo chefe de Estado brasileiro e deliberou suspender a transferência até que seja julgado um pedido de ‘habeas corpus’ que está pendente.

Luiz Inácio Lula da Silva foi autorizado esta quinta-feira pela justiça a transferir-se da sede da Superintendência da Polícia Federal na cidade de Curitiba, onde deu entrada em abril de 2018, para uma outra prisão no Estado de São Paulo, anunciou fonte judicial.

A decisão foi anunciada pela juíza Carolina Lebbos, que respondeu favoravelmente a um pedido da Polícia Federal do Paraná.

A pena aplicada contra o antigo chefe de Estado brasileiro refere-se a um caso julgado em três instâncias da justiça brasileira num processo da operação Lava Jato sobre a posse de um apartamento de luxo na cidade do Guarujá alegadamente dado a Lula da Silva como pagamento de suborno pela construtora OAS.

Segundo informações da imprensa local, a defesa do ex-Presidente discordou do pedido de transferência e defendeu que Lula da Silva deveria ser colocado numa unidade militar até ao julgamento de um pedido de liberdade provisória que se encontra no tribunal superior.