Rádio Observador

Crise dos Refugiados

Ator Richard Gere leva comida a navio humanitário no Mediterrâneo

5.607

O ator partiu da ilha de Lampedusa para levar comida ao navio da organização não-governamental espanhola Open Arms. Estão 121 migrantes resgatados no Mediterrâneo à espera de poder desembarcar.

Em fotos é possível ver o ator e ativista a levar comida e provisões ao navio humanitário

SEBASTIEN NOGIER/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ator norte-americano Richard Gere levou nesta sexta-feira comida ao navio da organização não-governamental (ONG) espanhola Open Arms, que está à espera de autorização para aportar e desembarcar 121 migrantes resgatados no Mediterrâneo há uma semana.

A organização divulgou fotos nas quais se vê o ator e ativista a levar comida e provisões ao navio humanitário.

“Finalmente, uma pequena boa notícia. Chegam alimentos ao #OpenArms e temos um companheiro de tripulação excecional, #RichardGere”, elogiou a organização na rede social Twitter.

A estrela de cinema partiu da ilha italiana de Lampedusa, tendo afirmado estarem “todos bem” depois de subir a bordo do navio humanitário e ser cercado por um grupo de jovens migrantes.

“As pessoas que vemos neste navio estão aqui por causa do trabalho que a Open Arms desenvolve e a coisa mais importante para quem aqui está é chegar a um porto, sair do barco, pisar terra e começar uma nova vida”, defendeu.

Richard Gere pediu apoio para que a Open Arms possa continuar a ajudar “estes irmãos e irmãs” que fogem de África à procura de um futuro na Europa.

A Open Arms está em águas internacionais, à espera, desde a semana passada, de receber autorização para desembarcar num porto seguro para pôr a salvo 121 migrantes resgatados no mar em duas operações diferentes.

O primeiro resgate aconteceu na quinta-feira, 1 de agosto, quando 55 imigrantes, incluindo dois bebés e uma mulher grávida, foram descobertos num barco prestes a naufragar, explicou o fundador da ONG, Oscar Camps. O segundo resgate foi feito a meio da noite do dia seguinte e foram socorridas 69 pessoas, incluindo duas crianças e duas mulheres grávidas, uma das quais “de nove meses e já com contrações”.

Entretanto, as organizações SOS Mediterrâneo e Médicos Sem Fronteiras estrearam um novo navio de resgate, o Ocean Viking, que já salvou 85 migrantes no meio do mar, mas as equipas continuam à procura de um outro barco com migrantes que partiu da Líbia ao mesmo tempo.

O ministro italiano do Interior e líder da extrema-direita, Matteo Salvini, mantém há várias semanas os portos fechados às ONG, a quem acusa de favorecerem a imigração ilegal.

Salvini, que abandonou na quinta-feira a coligação que governava a Itália desde 2018, já garantiu que não permitirá que o navio Open Arms entre em águas italianas, remetendo a responsabilidade pelos migrantes a bordo para Madrid.

O parlamento italiano aprovou recentemente um decreto promovido por Salvini, que permite requisitar os navios das ONG que violem a proibição de entrar em águas italianas e que prevê multas de até um milhão de euros.

Em Espanha, a cidade de Valência ofereceu-se para acolher o barco e a comunidade da Extremadura mostrou-se aberta receber os migrantes.

No entanto, precisa de autorização do Governo de Madrid, que em janeiro proibiu a Open Arms de retomar as buscas ativas de embarcações em perigo no Mediterrâneo central, justificando com o encerramento dos portos italianos às ONG e impondo multas elevadas, que podem atingir quase um milhão de euros.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)