Rádio Observador

Meteorologia

Calor regressa na próxima semana

Nenhum distrito deverá chegar aos 30º C esta sexta-feira e o Algarve será das poucas zonas sem chuva. Ainda assim, o país continua em alerta para fogos. Próxima semana traz aumento das máximas.

Tiago Petinga/LUSA

Depois de alguns dias de chuva, o calor regressa na próxima semana e com as temperaturas a subir até aos 35º C. Mas nesta sexta-feira, a chuva vai manter-se em quase todo o país e nenhum distrito deverá chegar aos 30º C. Évora, Porto Santo e Funchal — todas com máximas previstas de 29º C — deverão mesmo ser as zonas mais quentes. Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), Lisboa espera 27º C e o Porto 22º C. E há boas notícias para quem está de férias no Algarve: Faro e Sagres serão das únicas zonas do país onde a chuva vai dar tréguas.

Ainda assim — e à semelhança de quinta-feira — a chuva não impede o risco de incêndios e há quatro concelhos do distrito de Faro em alerta. Alcoutim, Castro Marim, Tavira e São Brás de Alportel, no distrito de Faro, são os quatro concelhos do país onde o risco de incêndio é esta sexta-feira “muito elevado”, ainda segundo o (IPMA).

Em risco elevado de incêndio encontram-se os concelhos de Loulé (Faro), Almodôvar e Mértola (Beja) e Figueira de Castelo Rodrigo (Guarda). Todo o restante país está em risco moderado ou reduzido.

Com o chegar do fim de semana, a chuva deverá terminar mas a nebulosidade vai manter-se. As temperaturas vão subir ligeiramente e Faro, Beja e Évora deverão ser os distritos com as temperaturas mais altas no fim de semana, com 30º C. “Amanhã [sábado] temos uma melhoria considerável do estado do tempo relativamente ao dia de hoje. Temporariamente com alguma nebulosidade alta no norte e centro, e no litoral a norte do Cabo Raso. Para quem está na praia nesses locais terá nebulosidade matinal que tende a dissipar gradualmente ao final da manhã”, explicou à Lusa Maria João Frada, meteorologista do Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

Para domingo, e de acordo com as previsões, “poderá haver um ou outro aguaceiro disperso, estando também reunidas condições para trovoadas no norte e centro”, sendo que as temperaturas máximas “descem um pouco”.

“Na segunda feira e, em especial na terça, teremos uma subida gradual das temperaturas máximas, que podem atingir os 30 a 35 graus no interior do Alentejo, na Beira Baixa, no Vale do Tejo: Santarém, na região de Lisboa e Setúbal. No restante território [as temperaturas] vão variar entre 25 e 30 graus”, especificou Maria João Frada.

Quase todo o país em risco “muito elevado” de exposição aos raios UV

Treze distritos do país e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores estão ainda esta sexta-feira em risco muito elevado de exposição à radiação ultravioleta (UV), avisa o IPMA.

As zonas do país que apresentam maior risco de exposição à radiação UV são o distrito da Guarda e a ilha do Porto Santo, classificados com nível 10 de risco, o segundo mais gravoso numa escala que vai de 1 a 11, sendo este último considerado “risco extremo”. Igualmente com risco muito elevado de exposição à radiação, embora oscilando entre os níveis 8 e 9, estão os distritos de Faro, Setúbal, Lisboa, Santarém, Portalegre, Leiria, Castelo Branco, Coimbra, Aveiro, Viseu, Bragança, Vila Real, Funchal, e as ilhas das Flores, Faial e Terceira, nos Açores.

No resto do país, o risco de exposição aos UV anda entre o elevado (Viana do Castelo, Braga, e ilha de São Miguel) e o moderado (Évora e Beja).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)