Rádio Observador

FBI

Ex-subdiretor do FBI contesta em tribunal o seu despedimento, que atribui a Trump

Demissão de Andrew McCabe terá feito parte de plano de Trump para afastar dirigentes que este considerava desleais diz o processo que McCabe pôs ao FBI e ao Departamento de Justiça esta sexta-feira.

McCabe foi despedido em março de 2018, acusado de distorcer o seu envolvimento sobre uma investigação do FBI à Fundação Clinton

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O antigo subdiretor do FBI Andrew McCabe, alvo de ataques frequentes por parte do Presidente norte-americano, processou esta sexta-feira a instituição policial e o Departamento de Justiça, devido ao seu despedimento.

No processo, que é o segundo esta semana de um ex-funcionário da polícia federal a contestar as razões do seu despedimento, foi avançado que a exclusão de McCabe fez parte de um plano de Donald Trump para retirar do FBI os líderes que considerava como desleais.

Na altura, Trump anunciou o despedimento no Twitter.  “Andrew McCabe despedido, um grande dia para os homens e mulheres que trabalham no FBI. Um grande dia para a democracia. O hipócrita do James Comey era o chefe dele e fez McCabe parecer um menino de coro. Ele sabia tudo sobre as mentiras e a corrupção ao mais alto nível no FBI”, escreveu o líder da Casa Branca.

Na mesma noite em que foi despedido, McCabe reagiu: “Este ataque à minha credibilidade é parte de um esforço maior não apenas para me caluniar, mas também para manchar o FBI, as autoridades e os profissionais dos serviços de informação”, disse o antigo diretor adjunto em declarações citadas pela CNN.

Na queixa, sustenta que os dois dirigentes responsáveis pela demissão e posterior despedimento de McCabe — o diretor do FBI, Chris Wray, e o antigo procurador-geral (equivalente a ministro da Justiça) Jeff Sessions — criaram um pretexto para o forçar a sair, como era a vontade do Presidente.

Trump exigiu ao queixoso obediência pessoal, procurou retaliar quando o queixoso recusou dá-la, e Sessions, Wray e outros comportaram-se mais como cumpridores da vontade de Trump do que como os principais responsáveis da nação pela aplicação das leis, obedecendo aos caprichos ilegais de Trump em vez de honrarem os seus juramentos de defender a Constituição”, foi escrito no processo.

A queixa federal também avançou que o FBI e o Departamento de Justiça desviaram-se de práticas consagradas, com Wray a recusar-se a dizer a McCabe por que o estava a despedir e um advogado sénior do Departamento de Justiça a garantir ao próprio causídico de McCabe que “iriam maquilhar (o caso) à medida que fossem avançando”.

McCabe foi despedido em março de 2018, depois de um relatório da inspeção-geral do Departamento de Justiça dizer que tinha, repetidamente, distorcido o seu envolvimento em revelações à comunicação social sobre uma investigação do FBI à Fundação Clinton. McCabe negou qualquer má conduta e adiantou que quando sentiu que as suas respostas tinham sido mal interpretadas, procurou corrigi-las.

Na terça-feira, o antigo agente especial do FBI Peter Strzok, despedido por ter enviado mensagens de correio eletrónico críticas de Trump, também avançou com um processo judicial. Argumentou que o FBI tinha cedido a uma “pressão incessante” de Trump para o despedir.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)