Rádio Observador

Medicamentos

Hospital no Porto sem dinheiro para medicamento caro distribuído em Lisboa

347

Daniela Braga sofre de paramiloidose e é acompanhada no Hospital de Santo António, no Porto, que diz não ter verbas para assumir os custos do medicamento que estagna a doença.

Interpol

Uma doente com paramiloidose sente-se discriminada por não ter acesso no Hospital de Santo António, no Porto, a um medicamento que garante ser distribuído em Lisboa.

Daniela Braga sofre de paramiloidose, conhecida como doença dos pezinhos, desde 2013. “Tenho muitas dores musculares, vómitos constantes, tenho um pacemaker e não posso fazer transplante porque estou muito frágil. Já ando de muletas e a tendência é para piorar”, conta a mulher de 38 anos, que vive com 400 euros de reforma de invalidez, ao Correio da Manhã.

Daniela Braga garante que o Patisiran, o medicamento de que necessita, “está a ser distribuído a doentes que são acompanhados por um hospital em Lisboa”. No entanto, como reside em Braga, o seu caso é diferente: “Como sou acompanhada no Hospital de Santo António, no Porto, que não tem verba para esse medicamente, não tenho direito ao remédio que pode ao menos estagnar a doença”.

O introdução do medicamento em Portugal ainda não foi aprovada pela Autoridade Nacional de Medicamento (Infarmed), no entanto este pode ser disponibilizado através de Programas de Acesso Precoce e mediante a concessão de Autorização de Utilização Excecional pedida pelo hospital que siga o doente. Por enquanto, Daniela Braga continua a deslocar-se todos os meses à sua unidade hospitalar para adquirir um outro medicamento, cuja caixa custa sete mil euros.

O Hospital de Santo António é a instituição que acompanha mais doentes com paramiloidose em Portugal. Ao Correio da Manhã disse que “os pareceres técnico-científicos não foram favoráveis” neste caso, invocando ainda “questões de princípio, de proporcionalidade e de responsabilidade” que devem ser tidas em conta. E admite: “Parece-nos mais do que evidente que o hospital não terá possibilidade de assumir os custos destes medicamentos se o Infarmed autorizar a sua introdução.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Novo Acordo Ortográfico

Uma comunidade às avessas

José Augusto Filho

Da forma em que foi conduzido, o Acordo serve mais para enfraquecer a língua de Camões do que para disseminá-la. Quanto aos ganhos políticos e económicos esperados, foram até agora praticamente nulos.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)