Rádio Observador

Comissão Europeia

Portugal já recebeu de Bruxelas mais de 9 milhões até junho no âmbito do Portugal 2020

Valor enviado pela Comissão Europeia, fixado em 9.068 milhões de euros, é mais de um terço do que o programado. Portugal mantém-se como um dos países que mais receberam entre os Estados-membros.

No final do segundo trimestre, os fundos lançados a concurso fixaram-se em 23,8 mil milhões de euros, o que equivale a 92% do total de fundos programados no Portugal 2020

Comissão Europeia

Autor
  • Agência Lusa

A Comissão Europeia já transferiu para Portugal, até ao final de junho, 9.068 milhões de euros, como resultado das execuções financiadas pelos fundos afetos ao Portugal 2020, mais de um terço do valor programado, foi anunciado.

“Até ao final de junho de 2019, foram transferidos 9.068 milhões de euros para Portugal pela Comissão Europeia (CE), como resultado da execução das operações financiadas pelos fundos europeus afetos ao Portugal 2020. A CE já transferiu para Portugal mais de um terço do valor programado no Portugal 2020 (34,8%)”, lê-se no último Boletim Informativo dos Fundos da União Europeia.

De acordo com este documento, Portugal mantém-se como o país que recebeu o maior montante de pagamentos entre os Estados-membros com envelopes financeiros acima de sete mil milhões de euros.

Por sua vez, no conjunto dos Estados-membros, Portugal volta a fixar-se em quarto lugar, posição que alcançou nos primeiros três meses do ano.

Portugal posiciona-se assim abaixo da Polónia (24.098 milhões de euros) e próximo de França (9.542 milhões de euros) e Itália (9.101 milhões de euros), todos com envelopes financeiros superiores.

No total, a Comissão Europeia já transferiu 125.169 milhões de euros para os 28 Estados-membros, sendo que 7,2% desse montante foi para Portugal.

No final do segundo trimestre, os fundos lançados a concurso fixaram-se em 23,8 mil milhões de euros, o que equivale a 92% do total de fundos programados no Portugal 2020 (PT 2020).

Destaca-se aqui o domínio da competitividade e internacionalização, que representa 35,8% desse total, com cerca de 8,5 mil milhões de euros disponibilizados para o financiamento de investimentos.

Por sua vez, no período em causa, ocorreu a abertura de 3.021 concursos no Portugal 2020, destinando-se 2.976 à seleção de operações e 45 à aprovação de estratégias de desenvolvimento territorial.

Até ao final de junho, estavam aprovados 21,2 mil milhões de euros de fundos para apoiar investimentos com valor de 32 mil milhões de euros e executados 9,8 mil milhões de euros de fundos.

O maior volume de fundo executado regista-se no Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), com um aumento de 236 milhões de euros, seguido pelo Fundo Social Europeu/ Iniciativa Emprego Jovem (FSE/IEJ) com um acréscimo de 233 milhões de euros até março.

Já os pagamentos aos beneficiários, no segundo trimestre deste ano, situaram-se nos 10,4 milhões de euros de fundos, o que representa 40% da dotação total de fundos do Portugal 2020.

A taxa de execução deste programa fixou-se, no período de referência, em 38%.

Com uma dotação global de cerca de 26 mil milhões de euros, o programa Portugal 2020 consiste num acordo de parceria entre Portugal e a Comissão Europeia, “no qual se estabelecem os princípios e as prioridades de programação para a política de desenvolvimento económico, social e territorial de Portugal, entre 2014 e 2020”.

Os primeiros concursos do programa PT 2020 foram abertos em 2015.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)