Rádio Observador

Iémen

Separatistas do Sul conquistam Aden e tornam a guerra do Iémen ainda mais complicada

Os separatistas do Sul do Iémen, apoiados pelos Emirados Árabes Unidos, dizem ter conquistado o controlo da cidade portuária de Aden, que estava controlada pelas forças do governo.

Aden era o principal reduto das forças leais ao governo de Hadi

NABIL HASAN/AFP/Getty Images

Se a guerra do Iémen nunca foi simples, agora acabou de ficar ainda mais complicada. Este sábado, as forças armadas dos separatistas do Sul do Iémen conseguiram tomar o controlo da cidade portuária de Aden, até agora sob domínio do governo do Iémen e das forças leais ao governo de Abdrabbuh Mansur Hadi.

“Tirámos o controlo do palácio de Maashiq das mãos da guarda presidencial sem luta”, disse à AFP um porta-voz do grupo Cintura de Segurança, o braço armado do Conselho de Transição do Sul. De acordo com o mesmo porta-voz, os 200 soldados da guarda presidencial puderam sair em segurança do palácio.

Aden era o principal reduto das forças leais ao governo de Hadi, que para ali se retiraram desde que, no final de 2014, os houthis tomaram controlo da capital, Sanaa. A partir de 2015, Hadi e grande parte do seu governo retiraram-se para Riade, capital da Arábia Saudita e seu principal aliado e fonte de sustento.

Os separatistas do Sul, congregados em torno do Conselho de Transição do Sul, são apoiados militar e financeiramente pelos Emirados Árabes Unidos. Os separatistas do Sul combatem os houthis, que são também inimigos do governo de Hadi. Porém, esta quarta-feira, os militares do Conselho de Transição do Sul iniciaram uma forte investida sobre as forças leais ao governo em Aden, abrindo assim uma enorme brecha entre as duas frentes que combatem os houthis, apoiados tanto pelo Irão como pelo Hezbollah.

Embora a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos tenham um interesse mútuo em derrotar os houthis no Iémen, já há divergências quanto ao futuro do Iémen. Se a Arábia Saudita é a favor de um Iémen unido, sem uma fratura entre o Norte e o Sul, aos Emirados Árabes Unidos interessa que haja essa divisão, de forma a conseguirem um aliado num hipotético Iémen do Sul. Por isso mesmo, têm promovido de forma ativa os esforços do Conselho de Transição do Sul.

O Iémen é uma zona historicamente instável, ponto de disputa de impérios coloniais e local de disputas por procuração de potências maiores e mais poderosas do que aquele país, que é reconhecidamente o mais pobre do mundo árabe.

Em 1918, depois de décadas sob o domínio do Império Otomano, que caiu naquele ano com o fim da Primeira Guerra Mundial, o Iémen foi dividido em duas partes: o Iémen do Norte, independente; e o que seria o Iémen do Sul, sob domínio colonial do Reino Unido.

Em 1962, eclode uma guerra civil na Arábia Saudita, com os leais ao governo a serem apoiados pela Arábia Saudita e os republicanos a receberem ajuda do Egito. Enquanto isso, em 1967, o Reino Unido retirou-se do Iémen do Sul, entregando-o ao Iémen do Norte. Porém, ali, as forças separatistas, apoiadas pela União Soviética, conseguiram evitar esse desfecho décadas a fio. Só em 1990, com o definhar do bloco soviético, é que os dois países se uniram sob a liderança do Presidente Ali Abdullah Saleh.

Desde então, o país tinha vivido como apenas um bloco, mas nem por isso de forma estável. Saleh, que se retirou do poder em 2011 no decurso da Primavera Árabe e cujas pretensões de voltar ao poder estão na origem da atual guerra, chegou a dizer em 2008 que governar o Iémen era “como dançar em cima de cobras”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)