O Type 64 é a prova de que um engenheiro consegue fazer milagres a partir de um produto básico. Em 1934, Hitler encomendou a Ferdinand Porsche um carro barato, capaz de transportar uma família a 100 km/h com um consumo de 7 litros/100 km, com a obrigatoriedade de ter o motor refrigerado a ar, uma vez que a água nos radiadores (o anticongelante ainda estava a dar os primeiros passos) congelava nas zonas mais frias da Alemanha. E Porsche concebeu o Type 1 (ainda que sobre alguns conceitos de Béla Barényi, de 1925), o popular Carocha.

Sobre este veículo simples e concebido para ser robusto e barato, Ferdinand Porsche decidiu construir um carro para si, o Type 64, substancialmente mais rápido, eficaz e divertido de conduzir. Além de o utilizar no dia-a-dia, Porsche construiu o seu desportivo para participar em competições como o Berlin-Roma, que deveria realizar-se em Setembro de 1939, corrida que foi cancelada após a Alemanha invadir a Polónia. Ainda assim, o Type 64 foi construído – este e mais dois exemplares –, e vai agora a leilão na Monterey Car Week, que se realiza na Califórnia entre 9 e 15 de Agosto. Veja aqui a opinião de Chris Harris, da Top Gear:

O Type 64 é efectivamente o primeiro Porsche jamais produzido, exibindo a marca da família do seu criador na frente, por cima da grelha. A Porsche já existia como empresa desde 1931 – na realidade “Dr. Ing. H. c. F. Porsche GmbH” –, mas até 1939 assumia-se como um gabinete de engenharia, ajudando os outros fabricantes a conceber motores e outros sistemas necessários aos automóveis, mas não só. Foi há exactamente 80 anos que Porsche concebeu o Type 64, com base numa plataforma do Carocha, devidamente reforçada, e com uma carroçaria em alumínio, extremamente aerodinâmica.

O motor do primeiro Porsche continuou a ser o a ser o do VW Type 1, um quatro cilindros opostos com 1,1 litros, que se originalmente debitava 23,5 cv, depois de “mexido” por Porsche, “disparou” para 32 cv ou 40 cv. A potência pode não impressionar, mas se considerarmos que o peso caiu para apenas 610 kg, é de esperar um dinamismo muito superior, tanto em aceleração como na travagem e em curva.

Das três unidades fabricadas, este é o único Porsche Type 64 que se encontra em estado original, ainda que em mau estado de conservação. A outra unidade foi destruída durante a guerra, tendo sido recuperada, ao que parece, com peças retiradas do terceiro Type 64, encontrando-se hoje no Museu Automóvel Petersen, em Los Angeles.

O proprietário do único Type 64 capaz de circular na via pública vai este fim-de-semana a leilão, com a RM Sotheby’s a estimar que a oferta vencedora ronde os 20 milhões de dólares. Veja aqui mais um vídeo do avô do 911: