Rádio Observador

Macau

Único candidato a chefe de Governo promete promoção gradual da democracia em Macau

O único candidato a chefe do Governo de Macau prometeu promover gradualmente a democracia no território administrado pela China, mas não se comprometeu a pedir a Pequim sufrágio universal.

TATIANA LAGES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O único candidato a chefe do Governo de Macau prometeu este sábado promover gradualmente a democracia no território administrado pela China, mas não se comprometeu a pedir a Pequim sufrágio universal no território.

“Se for eleito (…) promoverei o desenvolvimento político democrático de forma ordeira”, assegurou Ho Iat Seng, no programa político apresentado aos membros de um colégio eleitoral de manhã, uma vontade reiterada ao início da tarde aos jornalistas, numa conferência de imprensa.

Esta matéria “não é de um dia para o outro” que se resolve e “tem a ver com a reforma política de uma região”, sublinhou o candidato apoiado por Pequim ao cargo de chefe do Governo, cuja votação está agendada para 25 de agosto.

Contudo, não se comprometeu, depois de ser eleito, a pedir ao Governo central chinês que permita a Macau avançar para um sistema político assente no sufrágio universal.

O único candidato disse ainda que uma das suas prioridades do seu programa político passa por “assegurar que o princípio ‘Um país, dois sistemas’ não sofre nenhum desvio”.

“Procuraremos melhorar o regime e o sistema jurídicos correspondentes à implementação da Constituição e da Lei Básica, elevar a capacidade e a qualidade de governação, assegurar que o princípio ‘Um país, dois sistemas’ não sofre nenhum desvio e que avançámos, desde o início, na direção certa”, afirmou Ho Iat Seng perante os 400 membros do órgão que elege até 25 de agosto o novo chefe do Governo.

Uma promessa que se consubstanciará, por um lado, na defesa do “poder pleno de governação do Governo central” e, por outro, no “exercício do elevado grau de autonomia da Região Administrativa Especial” de Macau (RAEM), explicou.

A declaração de Ho Iat Seng reforça a promessa feita a 18 de junho de defender autonomia de Macau, mas de continuar a reforçar a integração na China no antigo território administrado por Portugal.

A transferência de Macau para a República Popular da China, em 1999, decorreu sob o princípio “um país, dois sistemas”, tendo sido acordado um período de 50 anos com elevado grau de autonomia, a nível executivo, legislativo e judiciário, sendo o Governo central chinês responsável pelas relações externas e defesa.

O único candidato a chefe do Governo afirmou ainda que o sucesso em Macau do princípio ‘um país, dois sistemas’ pode ser um bom exemplo para Taiwan, cujos governos têm desafiado Pequim, que reivindica o território como seu e não descarta a utilização de força para o reclamar.

O ex-presidente da Assembleia Legislativa (AL) de Macau e único candidato ao cargo de chefe do executivo apresentou esta manhã o seu programa político aos membros da Comissão Eleitoral.

Ho Iat Seng, de 61 anos, entregou 379 boletins assinados por membros da Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo (CECE), que vai eleger o líder do Governo de Macau em 25 de agosto.

Para apresentar o boletim de propositura os candidatos precisavam de recolher a assinatura, ou apoio, de pelo menos 66 dos 400 membros do colégio eleitoral. Cada membro pode propor um só candidato.

Além de ser eleito pelo colégio eleitoral, o candidato a chefe do Executivo é nomeado pelo Governo Central, de acordo com a ‘mini Constituição’ do território, a Lei Básica, e a respetiva lei eleitoral.

Em 05 de julho, Ho Iat Seng renunciou ao mandato de deputado, e automaticamente ao cargo de presidente da AL, para se candidatar ao cargo de chefe do Governo de Macau. O atual líder do Executivo, Fernando Chui Sai On, cumpriu dois mandatos e não pode recandidatar-se.

O empresário estreou-se como deputado em 2009, ano em que foi eleito para o cargo de vice-presidente da AL. Quatro anos depois, em 2013, Ho Iat Seng foi escolhido para o de presidente daquele órgão. Até abril passado, foi um dos 175 membros do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional chinesa.

O candidato a chefe do Governo é administrador e gerente-geral da Sociedade Industrial Ho Tin S.A.R.L.; presidente do conselho de administração da Companhia de Investimento e Desenvolvimento Ho Tin, Limitada; e administrador e gerente-geral da Fábrica de Artigos de Plástico Hip Va.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)