Rádio Observador

Futebol

A história de amor entre o Barça e os holandeses que tem novo Cupido

Griezmann estreou-se a marcar pelo Barcelona mas a real notícia do jogo com o Nápoles é que de Jong chegou para ficar. Joga, distribui, cria e constrói: e não vai ficar atrás de qualquer trio ofensivo

O médio holandês estava garantido pelo Barcelona desde janeiro

Getty Images

A chegada de Griezmann ao Barcelona, numa espécie de capítulo final de uma novela intrincada e que ainda pode ter uma quase segunda temporada se ficar provado que o francês tinha tudo certo com os catalães já em março, deixou praticamente claro que a equipa de Ernesto Valverde teria esta temporada um novo tridente ofensivo. Depois do famoso MSN, o trio composto por Messi, Suárez e Neymar, o Barça tem tido dificuldade em encontrar a terceira peça que encaixe no argentino e no uruguaio. Dembélé e Philippe Coutinho, que chegaram na época passada, têm tido muito menos sucesso do que o brasileiro e não conseguiram propriamente garantir esse terceiro lugar no ataque catalão. Assim, com a chegada de Griezmann, parecia óbvio que o MSN daria lugar ao MSG.

Nesta pré-temporada, porém, e quando ainda falta uma semana para o início da liga espanhola, Messi ainda não foi reintegrado e permanece ausente dos trabalhos e dos jogos do Barcelona, que este sábado voltava a encontrar o Nápoles na segunda mão da final da La Liga-Serie A Cup, um torneio de preparação organizado pelas ligas de Espanha e de Itália. Assim, e depois de vencer a equipa de Carlo Ancelotti na quinta-feira por 2-1, o Barça apresentava-se na segunda e derradeira mão com Dembélé a fazer companhia a Griezmann e Suárez na frente de ataque dos espanhóis.

O marcador só mexeu na segunda parte, com Suárez a inaugurar o marcador aos 48 minutos e Griezmann a aumentar a vantagem aos 56, estreando-se assim, ao quinto jogo, a marcar com a camisola do Barcelona. Suárez fez o terceiro e Dembélé encerrou as contas, garantindo então à equipa de Valverde a conquista desta La Liga-Serie A Cup. Quer isto dizer que as três peças do puzzle atacante do Barcelona fizeram estragos na defesa do Nápoles: mas a verdade é que o jóquer da equação, uma espécie de trunfo que se juntou à brincadeira para tornar o resultado final mais fácil de atingir, joga uns metros atrás.

Frenkie de Jong, o médio holandês que o Barcelona contratou logo em janeiro ao Ajax e que chegou este verão à Catalunha, acabou com a titularidade inequívoca de Busquets e é neste momento o pêndulo, o equilíbrio e o dono do meio-campo dos catalães. Com critério, com uma qualidade de passe muitos níveis acima da média e com uma rebeldia assente num sorriso escondido que Busquets nunca teve, de Jong é nesta altura (e sem Messi) o jogador mais importante do Barcelona e tudo o que não seja um lugar garantido no onze inicial será pouco para o holandês. Contas feitas, se o MSN vai dar lugar ao MSG, é melhor que os criativos espanhóis comecem a pensar numa forma de incluir um J de Jong num trio que terá nas costas um apoio de grande valor.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Eleições Legislativas

Afluir de Rio em Costa instável

Gonçalo Sobral Martins

O líder do PSD fez ver que Portugal não soube aproveitar uma conjuntura externa extraordinária: apesar dos juros do BCE e do crescimento económico da zona-euro, nada melhorou substancialmente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)