Rádio Observador

Noruega

Atirador de mesquita na Noruega escreveu mensagens de extrema-direita e é suspeito de matar filha do padrasto

265

O homem que entrou numa mesquita na Noruega fortemente armado, disparando sobre uma pessoa, escreveu mensagens de extrema-direita. Polícia encontrou a filha do seu padrasto morta em casa do atirador.

Só houve um ferido na mesquita de Bærum: Mohamed Rafiq, o paquistanês de 65 anos e ex-militar que conseguiu neutralizar o terrorista

AFP/Getty Images

O homem que este sábado fez um ferido após ter entrado armado com duas caçadeiras e um colete à prova de bala numa mesquita em Bærum, nos arredores de Oslo, publicou várias mensagens de extrema-direita na internet antes do seu crime.

A notícia foi avançada pela polícia norueguesa, numa conferência de imprensa encabeçada pelo chefe da equipa responsável pela investigação do incidente de sábado, Rune Skjold. De acordo com aquele responsável, do qual se sabe apenas que tem por volta de 20 anos e que é “etnicamente norueguês”, publicou mensagens de “extrema-direita” e “anti-imigração” na Internet.

Nalgumas dessas mensagens, o terrorista demonstrava admiração por Vidkun Quisling, o líder do governo da Noruega que colaborou com a Alemanha de Adolf Hitler, durante o tempo em que esta ocupou aquele país nórdico.

Alguns media noruegueses, citados pela AFP, contam ainda que, horas antes de ter entrado na mesquita e de ali ter disparado vários tiros, o terrorista tinha deixado um manifesto online onde falava de uma “guerra racial”. A confirmar-se, este incidente junta-se à lista dos outros em que, como aconteceu recentemente em Christchurch (Nova Zelândia) ou em El Paso (EUA), terroristas de extrema-direita publicaram manifestos online pouco antes de saírem à rua com o propósito de matar minorias — muçulmanos, no caso neozelandês; latino-americanos, no caso de El Paso.

Rune Skjold avançou também que a polícia está a investigar o caso como sendo uma instância de terrorismo na forma tentada e adiantou que o terrorista tem cadastro, sem ainda assim referir quais são os crimes que nele constam.

Filha do padastro encontrada morta em casa, atirador é suspeito

Apesar de o atirador não ter feito quaisquer mortos na mesquita, esta história pode ter adquirido contornos mais trágicos ainda antes de este ter partido para aquele local de culto. Isto porque, depois de o terrorista ter sido detido, as autoridades foram até à sua casa e ali encontraram o cadáver de uma menor, de 17 anos, que foi identificada como sendo a filha do padrasto do atirador.

A polícia está também a investigar este caso, sendo que o atirador é o único suspeito pela morte daquela jovem de 17 anos.

A polícia não adiantou mais pormenores sobre a morte da jovem, ficando assim mais perguntas do que respostas. Não se sequer se a jovem morreu com tiros, possivelmente disparados pelas armas que o atirador depois levou para a mesquita, ou se morreu de outra forma.

Atirador foi parado por ex-agente da força aérea do Paquistão de 65 anos

Já no sábado se tinha noticiado que o atirador não provocou uma tragédia na mesquita de Bærum porque conseguiu ser neutralizado por quem lá estava. Os primeiros relatos apontavam para três homens, fiéis que frequentavam à altura a mesquita, que teriam impedido o atirador de prosseguir.

Mohamed Rafiq, o paquistanês de 65 anos que controlou o atirador, é o segundo a contar da esquerda (TERJE PEDERSEN/AFP/Getty Images)

Porém, mais tarde, veio a saber-se que afinal fora apenas um homem a impedir um desfecho pior: Mohamed Rafiq, ex-agente da força aérea do Paquistão, de 65 anos.

“Ele começou a disparar contra dois homens e eu apanhei-o”, contou Mohamed Rafiq à BBC. “Depois peguei na pistola e nas armas e mandei-as para longe”, continuou no seu relato. De acordo com Mohamed Rafiq, que deu uma curta entrevista àquela televisão num inglês pouco fluente, contou também que durante a altura em que tentava neutralizar o terrorista este lhe enfiou o dedo dentro do olho.

Mohamed Rafiq acabou por ficar ligeiramente ferido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)