Rádio Observador

Braga

Braga desiste de Schettine e deixa críticas a Santa Clara e Benfica

Minhotos dizem que este não é caso único e que "o futebol português transformou-se num teatro de marionetas". Braga tentou Schettine depois de jogador ter recusado Benfica.

"Sociedades que deviam competir num plano de igualdade resignam-se a uma lógica vertical de influências", escreveu a SAD de António Salvador

PAULO NOVAIS/LUSA

O Sporting de Braga revelou esta segunda-feira ter desistido da contratação do futebolista brasileiro Guilherme Schettine, do Santa Clara, deixando críticas ao clube açoriano e, indiretamente, ao Benfica, apontando que “o futebol português transformou-se num teatro de marionetas”.

Num comunicado no sítio oficial, a SAD liderada por António Salvador historiou o processo, informando ter manifestado interesse no jogador no início de maio deste ano, mas não o concretizou e “afastou-se de qualquer negociação” porque foi informada que “a SAD açoriana aceitaria negociações pelo valor de três milhões de euros, omitindo que a cláusula de rescisão é de dois milhões”.

“Após o fecho do campeonato, o Sporting de Braga tomou conhecimento de que o Santa Clara negociava o jogador com o Benfica por 1,5 milhões de euros. O avançado permaneceria, porém, no plantel do Santa Clara”, pode ler-se. Contudo, a 29 de julho, os minhotos ficaram a saber pelos representantes do jogador que “Guilherme Schettine rejeitava a transferência para o Benfica, por entender que desportivamente não era a opção que melhor servia as suas ambições imediatas”.

“Nesse cenário, o Sporting de Braga reiterou o seu interesse, após saber pelos empresários de Schettine que havia o compromisso por parte do Santa Clara de negociar o avançado pelos mesmos valores discutidos com o Benfica”, lê-se. Dois dias depois, “formalizou uma proposta que satisfazia as pretensões do Santa Clara”, mas nunca obteve resposta.

A 1 de agosto, o Santa Clara informou Schettine e os seus representantes para a marcação de uma reunião, no dia seguinte, em Lisboa, com os responsáveis do Benfica, mas o jogador e os seus empresários “recusaram reunir”, lê-se.

“Perante a ausência de resposta do Santa Clara à proposta apresentada pelo Sporting de Braga, António Salvador contactou diretamente o administrador Diogo Boa Alma, que afirmou que não negociaria com o Sporting de Braga por ter um compromisso pessoal para colocar o jogador no Benfica e por temer represálias, remetendo para a cláusula de rescisão e assim faltando à palavra dada aos representantes do jogador”, dizem os bracarenses.

No segundo dia de agosto, “e apresentando-se como representante dos interesses do Benfica, José Luís Gonçalves (ex-diretor de futebol do CD Aves) entrou em contacto com o empresário do jogador, Javier Rangel, pedindo uma reunião com o presidente do Benfica e garantindo que tanto Guilherme Schettine como o seu agente seriam ‘bem recompensados'”.

O Sporting de Braga conclui, frisando que o episódio denunciado “não é caso único, mas antes a demonstração de uma realidade profundamente entranhada: o futebol português transformou-se num teatro de marionetas”.

“Sociedades que deviam competir num plano de igualdade resignam-se a uma lógica vertical de influências, na qual ‘manda quem pode e obedece quem tem juízo’ e onde se multiplicam operações que escapam à lógica desportiva, se inflacionam de forma especulativa os valores do mercado e se impede que outros clubes possam reforçar-se”, acusa, também numa crítica indireta ao Benfica.

O Sporting de Braga lamenta que, num país “que tem uma Federação tão pujante e uma Liga que se apresenta cada vez mais sustentável”, se esconda “a pobreza de um edifício de campeonatos profissionais onde competem clubes tão dependentes de uma mão que as alimente política e financeiramente e tão permeáveis a influências externas, não pela sua falta de grandeza institucional, mas pela pequenez de alguns dos seus dirigentes”.

Santa Clara acusa Braga de “abordagem direta” a Schettine

O Santa Clara acusou entretanto o Sporting de Braga de fazer “abordagens diretas” a “atletas profissionais de outras instituições com contrato de trabalho”.

O clube açoriano afirma ainda que “não pode tolerar” tal conduta, que é “punível nos regulamentos das competições profissionais da FPF [Federação Portuguesa de Futebol] e Liga Portugal”.

Em causa está o interesse do Sporting de Braga na contratação de Guilherme Schettine. A SAD do Santa Clara diz que “esta conduta” levou os açorianos a “exigir” aos minhotos o pagamento da cláusula de rescisão do avançado brasileiro.

O Santa Clara realça ainda que estará “sempre de portas abertas para receber todos os clubes”, desejando boa sorte ao Braga para o jogo da terceira pré-eliminatória da Liga Europa.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

A Saúde e a Constituição

António Alvim

Agora, na altura em que se comemoram os 40 anos do SNS, importa desmitificar outra ideia feita pela esquerda. Que o atual Modelo Público de SNS resulta da Constituição e é imposto por esta.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)