Rádio Observador

Espanha

Fogo em Canárias. Número de desalojados sobe para 1.025

134

Um homem de 55 anos foi detido pela autoria do incêndio que já queimou aproximadamente mil hectares de terra e desalojou 1.025 pessoas, realojadas em centros municipais, na ilha espanhola Grã Canária.

Em 2016, um incêndio nas Ilhas Canárias desalojou 2.500 pessoas e queimou 3.500 hectares de terra

AFP/Getty Images

Um incêndio que deflagrou na ilha Grã Canária, na Espanha, já queimou mais de mil hectares de terra numa distância de 23 quilómetros, e as autoridades temem que o fogo atinja outras zonas da região. Mil habitantes foram realojados e dezenas de bairros evacuados, durante este domingo. Já nesta terça-feira, foram registados reacendimentos, provocando mais 25 desalojados. Ainda assim, as autoridades garantem que o incêndio baixou de intensidade.

O fogo em Tenerife afetou sobretudo os municípios de Artenara, Tejeda e Gáldar e registou vários reacendimentos nas zonas que tinham ardido anteriormente. No restante perímetro de 23 quilómetros, 1.500 hectares, não se registaram ocorrências.

O Presidente das Ilhas Canárias, Ángel Víctor Torres, já tinha declarado que o fogo estaria “controlado”, mas as condições meteorológicas, com ventos de 40 a 70 quilómetros por hora, preocupavam bombeiros e autoridades, segundo o jornal El País.

Pelo menos 230 operacionais trabalharam para apagar o fogo que começou neste sábado, na pequena cidade de Artenara, com mil habitantes, a noroeste da ilha canária, e que afeta também a área de Tejeda, com 1.921 habitantes, e Gáldar, a maior de todas, com 24 mil pessoas.

Mil habitantes, de aproximadamente 10 bairros, já tinham sido desalojados e, alguns deles transferidos para pensões e centros municipais. A câmara municipal, inicialmente encarregada pela coordenação do combate ao fogo, deu como controlada a situação na noite de sábado – devido à temperatura favorável e falta de vento –, mas fogos secundários e reacendimentos levaram as autoridades a declararem o nível dois de emergência.

Desde então, o governo das Ilhas Canárias assumiu o controlo da situação e determinou o uso do Plano Canário de Proteção Civil e Atenção às Emergências de Incêndios Florestais (Infoca), com bombeiros a humedecerem os terrenos. “O fogo está contido, mas não extinguido, e poderá reanimar”, disse fonte da Infoca para o El País.

A última frente ativa é a mais preocupante, e caso o vento atinja os 70 quilómetros por hora previsto pelas agências meteorológicas, o fogo poderá atingir a aldeia vizinha de San Nicolás. “Se o fogo se movimentar para a zona de La Degollada de Tejeda ou para a aldeia, poderá complicar a situação, completou o Presidente canário”.

Wildfire rages through Gran Canaria

A raging wildfire on the Spanish island of Gran Canaria has burned through 2,470 acres and forced the evacuation of 1,000 residents.Read more here: https://bit.ly/2KtxGEH

Posted by ITV News on Sunday, August 11, 2019

No último sábado, um homem de 55 anos foi detido pela polícia por ser o responsável pela criação do fogo que já mobilizou mais de 500 operacionais, 10 helicópteros e um avião de carga durante o combate. As autoridades revelam que o habitante trabalhava com uma máquina de soldadura quando, por uma questão de desatenção, iniciou o fogo na Grã Canária.

As agências meteorológicas das ilhas alertam para o risco alto de ventos até 70 quilómetros por hora, com picos de força na tarde e noite desta segunda-feira.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)