Rádio Observador

Forças de Segurança

GNR com mais oficiais e menos militares de base nos últimos dez anos

511

Dados do Comando Geral fornecidos ao JN deixam clara tendência de aumento de oficiais face à redução das patentes mais baixas. IGAI e associações do setor alertam para perigos.

A GNR perdeu 2.261 militares em dez anos

NUNO VEIGA/LUSA

Mais oficiais, menos guardas e sargentos. É esta a tendência na Guarda Nacional Republicana (GNR) ao longo dos últimos dez anos, de acordo com os dados revelados pelo Comando Geral da GNR ao Jornal de Notícias (JN) esta segunda-feira, que dão conta de um aumento de 100 oficiais desde 2009, que contrastam com a perda de 2.261 militares, a grande maioria nas categorias mais baixas — guardas e sargentos.

O JN destaca que uma auditoria da Inspeção-Geral da Admnistração Interna (IGAI) já tinha alertado para o impacto que a falta de abertura de concursos estava a ter na estrutura da GNR. Também as associações do sector apelam ao Governo para que abra concursos para os lugares de base, assegurando que, caso contrário, a “operacionalidade está em causa”.

Os números são claros. Desde 2009, 2.261 militares abandonaram a GNR, dos quais 2.171 eram guardas e 190 eram sargentos. A saída é compensada pelo aumento do número de oficiais, que passaram de 746 para 846 no período de uma década. Ao todo, em dez anos, a GNR passou de 24.606 militares para um operativo de 22.345. Mas os dados revelam uma tendência de desequilíbrio, com o topo a aumentar e a base a diminuir.

As associações do setor exigem a contratação de 600 militares de base, na maioria sargentos. Caso contrário, dizem, “a operacionalidade está em causa , porque já não há militares para fazer as patrulhas necessárias”, de acordo com César Nogueira, presidente da Associação de Profissionais da Guarda (APG/GNR) em declarações ao diário.

Já em janeiro, o problema tinha sido apontado por uma auditoria da IGAI, que destacou “a disparidade entre o número de militares de determinadas armas em detrimento de outras, nomeadamente o número diminuto de furriéis, 2.ºs sargentos, alferes e tenentes em oposição ao elevado número de capitães e 1ºs sargentos”. O organismo deixa ainda como recomendação a abertura de mais concursos para baixas patentes. Caso contrário, diz, pode ser posto em causa “o desejado equilíbrio na estrutura piramidal hierárquica da GNR”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)