É mais um episódio neste caso mediático que tem tido várias surpresas. Primeiro a polícia do Canadá procurou-os por estarem desaparecidos, depois por serem suspeitos de três homicídios, mas nunca os encontrou. Deixou-os passar numa operação de STOP e acabou por os encontrar mortos a semana passada no fim de uma perseguição de mais de duas semanas por todo o Canadá. Agora, os resultados das autópsias levam a polícia a suspeitar que tenham morrido de ferimentos feitos por eles próprios, recorrendo a uma arma.

Foi ainda possível confirmar que os restos mortais, encontrados na manhã de 7 de agosto a norte da província canadiana de Manitoba, pertenciam de facto a Kam McLeod, com 19 anos e Bryer Schmegelsky, com 18.

“Uma vez que os indivíduos morreram alguns dias antes de serem encontrados, a hora e data exata das suas mortes são desconhecidas”, esclareceu a RCMP, a organização policial do Canadá, numa declaração partilhada esta segunda-feira e divulgada pelo The Guardian. Ainda assim, a força policial acredita que os suspeitos estiveram vivos durante vários dias depois da última vez em que foram vistos.

Os dois jovens foram dados como desaparecidos a 19 de julho, depois de o seu carro ter sido encontrado incendiado numa estrada perto do lago Dease, British Columbia. Kam McLeod e Bryer Schmegelsky foram depois dados como suspeitos do homicídio de um casal de turistas australiano — Lucas Fowler e Chynna Deese — e de um outro homem — Leonard Dick –, tendo os crimes ocorrido na zona onde o carro foi encontrado.