Rádio Observador

Comunicação Social

Governo mantém corte de 462 mil euros à Lusa mas redistribuído pelo orçamento global

O Governo vai manter corte de 462 mil euros à Lusa. Cerca de 124 mil euros são aplicáveis à rubrica de Fornecimentos e Serviços Externos e o restante é distribuído por outras áreas do orçamento.

A Comissão de Trabalhadores da agência alertou para o facto de a cobertura das eleições legislativas poder ficar comprometida com a redução

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Governo vai manter o corte de 462 mil euros à Lusa, sendo cerca de 124 mil euros aplicáveis à rubrica de Fornecimentos e Serviços Externos e o restante distribuído por outras áreas do orçamento global, foi hoje anunciado.

“Mantém-se uma redução que tem a ver com o orçamento aprovado no dia 19 de julho, onde havia um corte de cerca de 462 mil euros. Nessa altura, o corte incidia apenas na rubrica de Fornecimentos e Serviços Externos e, depois das negociações, […] foi possível o Ministério das Finanças ter entendido a nossa posição relativamente aos 118 mil euros que tivemos que pagar este ano aos [trabalhadores] precários […] e aos 220 mil euros relativos à recomposição da rede de correspondentes nacionais e internacionais”, afirmou Nicolau Santos, em declarações à Lusa.

De acordo com o presidente do Conselho de Administração da agência de notícias, o Governo deu assim a possibilidade de o corte não ser aplicado especificamente nessa rubrica, porém, em termos de orçamento global, terão de ser feitos ajustamentos na ordem dos 462 mil euros.

“Na rubrica dos Fornecimentos e Serviços Externos temos alguma margem de manobra […]. Depois vamos ter que gerir a rubrica do investimento”, explicou Nicolau Santos.

Assim, mantendo-se afastada a redução de colaboradores ou do trabalho que lhes está afeto, será necessário “adiar alguns investimentos que estavam previstos já para este ano e que, provavelmente, terão de ser feitos nos próximos anos”, onde se incluem as obras na redação.

“Os investimentos relativamente às obras vão ser feitos […], mas não com a rapidez que queríamos fazer. Vamos ter que avançar com parte desse investimento este ano, com a parte inicial do projeto e, provavelmente, terá que ser no orçamento do próximo ano que vamos concretizar essas obras”, apontou.

Porém, a administração garantiu que assim existem “condições para manter o investimento em níveis elevados”, o segundo maior nos últimos 10 anos, e para afastar a tomada de decisões “relativamente à rede de correspondentes”, o que para Nicolau Santos “não faria sentido”.

Em julho, o Governo decidiu, em assembleia-geral, impor um corte de 462 mil euros à agência na rubrica de Fornecimentos e Serviços Externos, menos 11% do que tinha sido aprovado, posição que foi, posteriormente, questionada pela administração, Direção de Informação, editores, delegados, chefes de redação e restantes trabalhadores da Lusa, bem como pelos órgãos representativos.

A Comissão de Trabalhadores (CT) da agência alertou, numa nota entregue aos deputados socialistas na altura, para o facto de a cobertura das eleições legislativas poder ficar comprometida com a redução prevista e notou que o Estado já devia à Lusa 300 mil euros.

Por sua vez, em 19 de julho, os órgãos representativos dos trabalhadores divulgaram um comunicado conjunto no qual consideravam “inaceitável” a decisão do Governo e apontavam que esta colocaria em causa a qualidade do serviço.

Já Nicolau Santos considerou, também mesma altura, o corte “incongruente” e avançou que não o iria cumprir, sujeitando-se às consequências.

A Direção de Informação, por seu turno, garantiu não estar disposta a cortar nos pagamentos ou nos correspondentes, posição também defendida pelos editores, delegados e chefes de redação da agência.

No final de julho, os trabalhadores da Lusa aprovaram, em plenário, uma carta aberta onde pediam “estabilidade no financiamento” da agência, não excluindo a possibilidade de avançar para formas de luta se o corte previsto não for revertido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)