Rádio Observador

Ambiente

Neoen investiu em Portugal. É grande cliente Tesla

A Neoen é uma empresa francesa, no campo da energia renovável, que opera em 13 países e quatro continentes. Em Portugal, lançou o primeiro parque fotovoltaico em 2013 e é o maior cliente da Tesla.

A Neoen tornou-se conhecida no nosso país quando foi das principais vencedoras dos leilões para parques fotovoltaicos, que o Governo lançou em 2010. O seu primeiro projecto arrancou em meados de 2013, mais precisamente em Coruche, onde uma central de painéis solares (com nada menos do que 18.388) começou a produzir a energia necessária para 30.000 habitantes, fruto de um investimento de 40 milhões de euros.

Especialista em tudo o que é energia renovável, a Neoen aposta internacionalmente na produção de energia produzida pelo sol e pelo vento, em 13 países e quatro continentes, prevendo ter mundialmente 2,8 GW de capacidade de produção instalada até final de 2019, que deverão atingir 5 GW em 2021.

Na Austrália, onde também estão presentes, os franceses construíram um parque eólico com 99 aerogeradores com capacidade para gerar 315 MW de energia, fruto de um investimento de 800 milhões de dólares australianos, o equivalente a 490 milhões de euros. Para absorver os picos de produção e fornecer a rede eléctrica local, em caso de falta de energia, a Neoen necessitava de armazenar energia e foi exactamente aí que entrou a Tesla.

Além dos carros eléctricos, a Tesla produz igualmente painéis e telhas fotovoltaicas, baterias estacionárias para residências (powerwall) e para empresas ou fábricas (powerpack). A central australiana, conhecida como Hornsdale Wind Farm, tem um vizinho muito especial, a Hornsdale Power Reserve, estando ambas contratadas pelo Estado australiano para fornecer energia e estabilizar a rede naquela zona do país, muito dada a falhas de correntes e apagões.

A Neoen realizou uma consulta internacional e a Tesla Inc. saiu vencedora, fornecendo por 50 milhões de dólares aquela que é considerada a maior bateria do mundo, sendo composta por células Samsung cilíndricas 21700, similares às utilizadas nos Model 3 (os Model S e X usam as células ligeiramente mais pequenas, as 18650). A capacidade de armazenamento é de 129 MWh e o potencial para fornecer energia à rede é de 100 MWh, dividido em duas partes: a primeira pode fornecer 70 MW durante 10 minutos, ao passo que a segunda assegura 30 MW durante três horas.

O investimento da Neoen foi considerável, mas ao lançar uma oferta pública inicial – com o objectivo de reunir 450 milhões de euros – na segunda metade de 2018, a Neoen viu-se obrigada a libertar algumas informações sobre os seus projectos, que até então eram desconhecidos. Soube-se então que a Hornsdale Power Reserve efectivamente custou cerca de 56 milhões de euros (66 milhões de dólares) e ganhou 14,8 milhões de euros exclusivamente nos primeiros seis meses da operação (8,1 milhões no apoio à rede e 6,7 milhões a armazenar e a vender energia produzida pela Wind Farm), o que lhe permite ambicionar atingir break-even em cerca de 3,8 anos.

A Neoen utiliza o Powerpack de 129 MWh que adquiriu à Tesla como uma central eléctrica para evitar falhas de energia, normalmente por queima de gás natural ou derivados de petróleo. Porém, com um investimento menor e margens de lucro superiores.

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)