Rádio Observador

Touradas

Sabugal recriou antiga tradição e a polémica instalou-se: vídeo de touro a ser morto na arena gera indignação e queixas

3.480

A tradição da Capeia Raiana no Soito, Sabugal, acabou com um touro morto e a multidão em júbilo. Associação ANIMAL denunciou o caso e já fez queixa à Direção Geral do Património Cultural.

A associação ANIMAL garantiu que "continuará sempre a denunciar situações destas"

Manuel Almeida/LUSA

Um touro foi morto no passado dia 10 de agosto durante uma Capeia Raiana no Soito, Sabugal. A situação foi denunciada pela Associação ANIMAL, através da sua página de Facebook, com base num vídeo que regista o momento deste ritual antigo, que foi agora recriado, perante os gritos e aplausos da multidão.

Na publicação, a Animal diz que se trata do segundo ano consecutivo em que tal acontece, mas que apenas este ano conseguiram obter as imagens que o provam. A Associação denunciou ainda que esta atividade está “registada como Património Cultural Imaterial no Inventário Nacional do Instituto dos Museus e da Conservação”, para a qual já enviou uma queixa, porque “continuará sempre a denunciar situações destas”.

Soito, Sabugal, 10 de Agosto de 2019

Pelo segundo ano consecutivo (que tenhamos imagens, porque, seguramente, este tipo de tragédia não se limitou a estes dois anos) morre um touro no Soito, Sabugal, numa Capeia Raiana. Espantem-se, falamos de uma actividade registada como Património Cultural Imaterial no Inventário Nacional do Instituto dos Museus e da Conservação.Estas imagens são deste ano (sábado passado). Informamos que a ANIMAL já se pôs em campo, passando todas as informações que tem à DGPC e não só. Repetimos: a tauromaquia não passa de um exercício de violência pura. Aficionados dirão "acidentes acontecem", nós dizemos "há acidentes que podem ser evitados se actividades macabras de barbarização de animais não existirem."A ANIMAL continua o seu trabalho de quase 25 anos contra a tauromaquia e continuará sempre a denunciar situações destas.

Posted by ANIMAL on Tuesday, August 13, 2019

As Capeias Arraianas seguem a “tradição raiana” que manda que “as touradas com forcão (um escudos feito de paus que protege um grupo de pessoas), precedidas de encerro, se iniciem na Lageosa no dia 6 de Agosto e terminem em Aldeia Velha no dia 25”, pode ler-se no site do evento. Na mesma publicação, dizem ainda que a capeia arraiana é um “espetáculo único que andou escondido esotericamente nas praças das nossas aldeias e que de há uns anos para cá parece ter perdido a vergonha e tudo faz para se dar a conhecer ao mundo”.

A denúncia da ANIMAL nas redes é muito completa e diz que a tradição tem sido praticada nos últimos anos, mas que depois da morte do touro são apagadas as luzes, algo que este ano não aconteceu:

“Pelo segundo ano consecutivo (que tenhamos imagens, porque, seguramente, este tipo de tragédia não se limitou a estes dois anos) morre um touro no Soito, Sabugal, numa Capeia Raiana. Espantem-se, falamos de uma actividade registada como Património Cultural Imaterial no Inventário Nacional do Instituto dos Museus e da Conservação. Mais informamos que, também no ano passado, o touro teve morte imediata e as luzes foram imediatamente apagadas para que pudessem “tratar do assunto”… Este ano, felizmente (para podermos denunciar, claro), ninguém se lembrou de apagar as luzes da praça.”

O vídeo terá sido filmado por um espetador.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)