Rádio Observador

TAP

TAP lança ponte aérea para Madrid de Lisboa e Porto e cancela London City

Cancelamento da London City deve-se à pouca procura dos clientes e a questões relacionadas com o Brexit. TAP anunciou que "está a crescer 11%" e que quer trabalhar em mercados mais competitivos.

Entre 2017 e 2018, a TAP registou um aumento de 20% em número de passageiros, ultrapassando a marca de 2 milhões

João Relvas/LUSA

A TAP vai lançar uma nova ponte aérea para Madrid a partir de Lisboa e do Porto, em 2020, e cancelar a operação em London City, de acordo com um comunicado esta terça-feira divulgado.

A companhia aérea justificou a opção, no caso do Porto, com as perspetivas positivas para esta cidade e que permitem alterações nas rotas. “Entre 2017 e 2018, a TAP registou um aumento de 20% em número de passageiros, ultrapassando pela primeira vez a marca dos dois milhões. As perspetivas são igualmente positivas para este ano de 2019, considerando que, entre janeiro e julho, a TAP está já a crescer 11%”, lê-se no mesmo comunicado.

Estes “números de sucesso” permitem à TAP “implementar ajustes na rede do Porto, com o objetivo de redirecionar a capacidade para mercados onde a competitividade da companhia seja maior”.

Assim, a empresa irá redirecionar “a capacidade dos voos Porto-Barcelona e Porto-Lyon, suspendendo a operação nesses mercados, que conta com ampla oferta da concorrência, para construir a novíssima ponte aérea entre Porto e Madrid, que contará com seis frequências diárias, mais que o dobro da oferta atual”.

Estas mudanças irão ainda permitir o aumento das ligações entre o Porto e o Funchal “com mais um voo diário, a meio do dia, operado no novo Airbus A321neo Long Range e fazer a operação diária do Porto-Newark (EWR) e a quarta frequência semanal Porto-São Paulo”.

A ponte aérea do Porto para Lisboa irá ainda ganhar “mais uma frequência diária em relação ao verão de 2019”, de acordo com a TAP.

Na capital, “a capacidade dedicada a Estugarda, Colónia e Basileia, será redirecionada para outros mercados. Será criada uma nova ponte aérea ligando Lisboa a Madrid”, lê-se na mesma nota.

Além disso, a companhia aérea “lançará uma nova rota para Santiago de Compostela, e reforça outras ligações a Espanha, acrescentando voos diários entre Lisboa e as cidades de Barcelona (seis para sete diários), Bilbau, Valência e Málaga, todos de dois para três diários, e Sevilha (de três para quatro voos diários). Também Casablanca, a maior cidade de Marrocos, contará com mais uma frequência diária à saída de Lisboa, melhorando assim a conectividade com a rede intercontinental da TAP”, segundo o comunicado.

A companhia aérea planeia também reforçar os voos para Telavive, de um para dois diários, e passa “a voar para Moscovo com A321LR, permitindo corresponder às exigências de conforto dos passageiros que voam para aquele destino”, informou a empresa.

A TAP revelou ainda que irá suspender a operação no aeroporto de London City, “devido às incertezas de procura por parte dos clientes, associada ao Brexit, e pelos resultados abaixo do esperado nesse mesmo mercado”.

As alterações para 2020 implicam o reforço da aposta nos EUA. “Duplicam as frequências diárias entre Lisboa-Nova Iorque (JFK), além do voo Lisboa-Newark (EWR) e do Porto-Newark (EWR), que passa a ser diário. Miami receberá dez voos por semana, em vez dos atuais sete. Também as novas rotas de Washington D.C. e Chicago passarão a contar com voos diários”, informou a companhia aérea.

No Brasil, a TAP irá usar o novo A321LR e contará com cinco voos semanais para Natal e Belém, em cada um dos destinos, face aos três atuais.

“Nos últimos dois anos, a TAP registou um crescimento assinalável do número de lugares oferecidos na sua rede. Em 2018, a companhia disponibilizou mais 12% de lugares e, em 2019, a capacidade oferecida já aumentou 9,3%. Em 2020, o enfoque será consolidar e crescer nas apostas que estão a ser mais bem-sucedidas”, explicou a TAP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)