Rádio Observador

Angola

Economist prevê recessão económica em Angola neste e no próximo ano

Documento prevê inflação de 17,8% para este ano "devido ao enfraquecimento do kwanza [moeda angolana] e às descidas das taxas de juro". Analistas dizem que "ambiente operacional ainda é desafiante".

AMPE ROGÉRIO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Economist Intelligence Unit (EIU) prevê que a economia de Angola se mantenha em recessão até 2020, prolongando os crescimentos negativos dos últimos anos devido à descida de preço do petróleo desde o verão de 2014.

“As perspetivas económicas de Angola continuam fracas, com a recessão de três anos a continuar até 2020”, lê-se numa análise à economia e política de Angola, em que se refere que a produção de petróleo caiu quase 10% no ano passado e que a atração de investimento externo continua difícil.

De acordo com o relatório, que não detalha a previsão de crescimento económico negativo para este e o próximo ano, “apesar da introdução de numerosos incentivos fiscais, tem sido difícil atrair investimento internacional para os seus recursos petrolíferos nas águas ultraprofundas, onde o preço de ‘break-even’ é mais elevado”.

O documento, enviado aos clientes e a que a Lusa teve acesso, prevê uma inflação de 17,8% para este ano “devido ao enfraquecimento do kwanza e às descidas das taxas de juro” e afirma que “as medidas para combater a inflação vão ser prejudicadas pela dinâmica cambial, combinada com o corte de julho aos subsídios da eletricidade”.

Os últimos dados disponíveis sobre o andamento da economia angolana registam uma recessão de 1,2% no ano passado, segundo a revisão feita pelo Instituto Nacional de Estatística no final de julho, que melhorou a previsão de crescimento negativo, de 1,7%, para 1,2% do PIB.

De acordo com o documento sobre as Contas Nacionais Trimestrais relativas aos primeiros três meses deste ano, a economia angolana teve crescimentos negativos de 2,5% de janeiro a março de 2018, de 3,8% no segundo trimestre, de 1,3% no terceiro trimestre e entrou em território positivo nos últimos três meses do ano, quando registou uma expansão económica de 2,6%.

Nos primeiros três meses deste ano, a economia angolana voltou a ‘entrar no vermelho’, registando uma contração da atividade económica que o INE estima ter sido de 0,4%, o que terá levado o executivo a rever, logo em abril, a perspetiva de crescimento, de 3,2%, para 0,4% no conjunto de 2019.

Em abril deste ano, o governo angolano reviu em baixa a estimativa de crescimento, de 3,2% este ano esperados no final do ano passado, quando assinou o programa de financiamento com o Fundo Monetário Internacional, para 0,4%.

A nível político, a EIU prevê que o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido de João Lourenço, no poder, vença as eleições do próximo ano, “mantendo o seu domínio nas urnas devido ao forte controlo do aparelho de Estado e tendo a vantagem de estar no poder a nível nacional”.

O Presidente, prevê a unidade de análise económica da revista britânica The Economist, “vai tentar manter aquilo que considera ser a sua posição de líder regional, consolidando as ligações económicas e de comércio, continuando a assinar acordos com os seus vizinhos, mas o sentimento protecionista e os gargalos logísticos vão continuar, dificultando o crescimento potencial a médio termo”.

As decisões políticas vão continuar a ser determinadas pelos esforços para aumentar o setor privado na economia, diversificando a economia e aumentando os fluxos de investimento, mas estes esforços vão ser constrangidos pelo ambiente operacional, que ainda é desafiante”, dizem os analistas, concluindo que mesmo o programa de privatizações recentemente anunciado vai enfrentar dificuldades não só pelas “dificuldades logísticas”, como pela relativa incipiência do setor financeiro angolano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)