Rádio Observador

Fósseis

Investigadores neozelandezes descobrem fóssil de pinguim do tamanho de um homem

Cientistas neozelandeses anunciaram a descoberta de ossos fossilizados de um pinguim gigante, o Crossvallia waiparensis. Terá tido o tamanho de um homem e viveu há 60 milhões de anos.

Os Crossvallia waiparensis teriam o dobro do peso e teriam mais 30 centímetros do que o maior tipo de pinguins de hoje, os imperadores

CANTERBURY MUSEUM / HANDOUT/EPA

Cientistas neozelandeses anunciaram esta quarta-feira a descoberta de ossos fossilizados de um pinguim gigante, do tamanho de um homem, que terá vivido há 60 milhões de anos.

Os investigadores, citados pela agência noticiosa AP, estimam que a espécie, antes desconhecida, tinha cerca de um metro e sessenta de altura e pesava até 80 quilos, e poderá ter sido uma das várias espécies de pinguins gigantes que prosperaram logo após o desaparecimento dos dinossauros.

Os resultados da investigação foram publicados no “Alcheringa, Australasian Journal of Palaeontology” (Jornal de Paleontologia Australiano).

Paul Scofield, co-autor do artigo e curador sénior do Museu Canterbury, disse que a descoberta “é significativa” porque a espécie é semelhante a outro pinguim gigante encontrado na Antártida em 2000 e ajuda a mostrar uma conexão entre as duas regiões durante a época do Paleoceno.

O cientista acrescentou que, após a extinção dos dinossauros, répteis marinhos e peixes gigantescos, “parece ter havido uma oportunidade evolutiva para os pinguins prosperarem e crescerem em tamanho”.

O investigador explicou que os próprios pinguins gigantes se extinguiram num prazo de 30 milhões de anos, quando grandes mamíferos marinhos começaram a dominar as águas.

Os pinguins gigantes, chamados de Crossvallia waiparensis, teriam o dobro do peso e 30 centímetros mais altos do que o maior tipo de pinguins vivos hoje, os imperadores.

Scofield adiantou que os ossos da perna indicam que os pés do pinguim gigante “podem ter desempenhado um papel mais importante na natação do que no caso das espécies atuais”.

Estudiosos consideram que a Nova Zelândia tenha sido o local de muitas aves gigantescas que mais tarde se tornaram extintas, incluindo o maior papagaio do Mundo, uma águia gigante e um pássaro semelhante às atuais emas, chamado moa. A falta de predadores terá permitido que essas aves prosperassem.

As ossadas do pinguim gigante, das suas pernas e pés, foram encontrados pelo entusiasta amador Leigh Love há cerca de 18 meses no leito do rio Waipara, perto da cidade Christchurch, na Ilha Sul da Nova Zelândia.

O autor da descoberta disse que viu os fragmentos num banco em erosão. “Só depois de os ter levado para casa e fazer umas pesquisas é que percebi que tinha algo completamente diferente do que havia sido encontrado antes”, declarou.

O professor da Universidade de Massey, John Cockrem, um especialista em pinguins que não esteve envolvido na pesquisa, disse que a descoberta foi significativa para aumentar o conhecimento sobre pinguins gigantes e consolidar o lugar da Nova Zelândia como o centro mundial destas espécies.

Ewan Fordyce, professor de paleontologia na Universidade de Otago, que também não participou da pesquisa, afirmou que o fóssil agora encontrado está entre os mais antigos já encontrados, acrescentando que um dos desafios era tentar determinar o tamanho total das aves a partir de fragmentos de esqueletos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)