Rádio Observador

Função Pública

Número de funcionários públicos volta a subir 2,3% no segundo trimestre

No fim de junho, o emprego no setor das administrações públicas situou-se em 690.494 postos. Aumento deve-se ao processo de regularização extraordinária de vínculos precários na administração pública.

JOSE SENA GOULAO/LUSA

O número de funcionários públicos voltou a aumentar 2,3% no segundo trimestre face ao mesmo período do ano passado, para 690.494, correspondendo a mais 15.261 postos de trabalho, revela a síntese estatística divulgada esta quarta-feira pela DGAEP.

A 30 de junho de 2019, o emprego no setor das administrações públicas situou-se em 690.494 postos de trabalho, indiciando um aumento de 2,3% em termos homólogos (mais 15.261 postos de trabalho), num nível idêntico ao observado no final do primeiro trimestre de 2019″, segundo aos dados da Direção-Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP).

O aumento é explicado com o processo de regularização extraordinária de vínculos precários na administração pública.

Na administração central o aumento homólogo foi de 7.616 postos de trabalho no segundo trimestre, dos quais 5.030 em estabelecimentos de saúde do tipo Entidades Públicas Empresariais (EPE). Já na administração local registaram-se mais 6.285 postos de trabalho nas carreiras de assistente operacional, assistente técnico e técnico superior.

Comparando com dezembro de 2011, o emprego público caiu 5,1% em junho, correspondente a uma redução de 37.291 postos de trabalho, sendo a administração central o subsetor com a maior diminuição de trabalhadores: menos 30.469 (menos 5,5%).

Face ao trimestre anterior, o número de funcionários públicos aumentou em 413 postos de trabalho (0,1%) em termos líquidos, já que enquanto na administração local e regional houve uma subida de 746 postos de trabalho (mais 0,5%), na administração central registou-se uma queda de 376 postos de trabalho.

A redução trimestral deve-se, sobretudo, à queda de 2.644 postos de trabalho na área da Educação, “refletindo o final do ano letivo, com a cessação de contratos a termo de trabalhadores nos estabelecimentos de ensino básico e secundário, em particular, técnicos superiores para atividades de enriquecimento curricular (AEC), assistentes operacionais e docentes”, explica a DGAEP.

Por outro lado, o aumento de emprego, no trimestre, no Ministério da Administração Interna, de 3% (mais 1.364 funcionários), “decorre principalmente do recrutamento de agentes na PSP e de novos contratos a termo de vigilantes da floresta na GNR para as operações de prevenção de incêndios durante o verão”.

Na área da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior o aumento de 548 postos de trabalho (mais 1,3%) reflete “a continuação, durante o segundo trimestre, da contratação de pessoal de investigação científica nos estabelecimentos de ensino superior”, lê-se no documento.

O emprego no setor das administrações públicas representava, no final do segundo trimestre, 13,2% da população ativa e de 14% da população empregada.

Os dados mostram ainda que seis em cada 10 trabalhadores das administrações públicas são mulheres, “mantendo uma elevada taxa de feminização no setor, acima 10,7 pontos percentuais do mesmo indicador para o total da população ativa”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Educação

Cheques de Ensino

Diogo Fernandes Sousa

Com os cheques de ensino se um pai se enganasse afetaria apenas o seu filho. Agora, se um político se engana no Ministério da Educação, como sucede regularmente, afeta toda uma geração de estudantes

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)