Rádio Observador

Crime

Cabeça encontrada em Leça. Detido na Turquia suspeito que estava em fuga desde março

207

O homem de 32 anos e de nacionalidade paquistanesa estava em em fuga desde março deste ano — altura em que a cabeça da vítima foi encontrada, na praia de Leça da Palmeira, em Matosinhos.

A detenção do suspeito ocorreu em cumprimento de mandado de detenção europeu

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

O suspeito de ser co-autor do homicídio de uma mulher cuja investigação foi despoletada pelo “aparecimento de uma cabeça humana no areal da praia de Leça da Palmeira, em Matosinhos” foi detido na fronteira da Turquia com a Grécia, informa a Polícia Judiciária (PJ) num comunicado emitido esta quinta-feira. O homem de 32 anos e de nacionalidade paquistanesa estava em em fuga desde março deste ano — altura em que a cabeça foi encontrada.

O detido, que se ausentou do país logo que foi noticiado o aparecimento da cabeça, é um cidadão paquistanês de 32 anos, sem atividade profissional conhecida”, lê-se no comunicado da PJ.

A cabeça foi encontrada em avançado estado de decomposição no início de março, dentro de um saco de plástico, junto a um contentor do lixo que estava no areal, por um funcionário da Ecorede, a empresa que faz a recolha do lixo naquela praia. A Diretoria do Norte da PJ depressa tomou conta do caso — que permaneceu um mistério durante três semanas. Mas a 29 de março, a PJ revelava que já sabia a identidade da vítima: era uma mulher de nacionalidade estrangeira e teria sido vítima de um crime passional.

No início de maio, uma mulher de 52 anos de nacionalidade tailandesa era detida por suspeitas de ser coautora do crime. A suspeita era proprietária de uma casa de massagens, em Matosinhos, e a vítima era sua empregada. Segundo confirmou a PJ no comunicado emitido na altura, a tailandesa devia algum dinheiro à vítima, que “insistia em ver saldada”. Este terá sido, no entender da investigação, o móbil do crime. Crime esse que a PJ confirmou ter sido cometido pouco tempo antes de a cabeça ter sido encontrada.Na altura, ficava também a saber-se que um homem, marido da detida e suspeito de coautoria do crime, teria saído de Portugal.

Após intensas diligências de investigação e cooperação internacional, foi possível identificar e agora deter um cidadão paquistanês, para quem a falecida trabalhava, o qual se encontra indiciado pela coautoria do homicídio e subsequente profanação de cadáver”, escreve a PJ em comunicado.

Foi emitido um mandado de detenção europeu. Cinco meses depois de a cabeça ter sido encontrado, a PJ tem agora a última peça que faltava para completar a investigação. O detido foi presente a tribunal para primeiro interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação tidas por adequadas — que ainda não são conhecidas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbranco@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)