Rádio Observador

Alterações Climáticas

Ilhas do Pacífico sem consenso nas medidas contra alterações climáticas devido à Austrália

Os líderes das 18 nações do Pacífico não chegaram a um acordo na reunião do Fórum das Ilhas do Pacífico. Anfitrião do fórum acusa Austrália de apenas se preocupar com a economia do país.

MICK TSIKAS/EPA

O Fórum das Ilhas do Pacífico terminou na noite de quinta-feira em Funafuti, capital de Tuvalu, sem um consenso para redobrar a luta contra as alterações climática devido à posição da Austrália sobre o uso do carvão.

Os líderes das 18 nações do Pacífico não chegaram a um acordo sobre a Declaração de Tuvalu, que havia sido produzida pelas nações de menor dimensão da região, tendo sido emitida a Declaração de Kaikani II, um texto que diminuiu o tom e os compromissos em relação ao fenómeno global das alterações climáticas.

O anfitrião do Fórum, o primeiro-ministro de Tuvalu, Enele Sopoaga, chegou mesmo a acusar diretamente o seu homólogo australiano, Scott Morrison, como sendo o principal responsável pelas alterações da declaração. “Você está mais preocupado em salvar a sua economia na Austrália (…) Eu estou preocupado em salvar o povo de Tuvalu” dos efeitos das alterações climáticas, disse Enele Sopoaga, segundo a emissora pública australiana ABC.

A declaração original pedia fortes medidas para limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius, contribuições para o Fundo Verde para o Clima e a proibição imediata da construção de novas fábricas a carvão e minas desse mineral, bem como a sua eliminação gradual.

No entanto, a declaração de Kaikaki II exige medidas urgentes para manter as emissões abaixo de 1,5 graus e contribuições para o Fundo Verde, mas apenas “convida” os países a “refletirem” sobre os subsídios dados aos combustíveis fósseis e a sua transição para energias verdes.

“Eu entendo as sensibilidades desses problemas e tenho mostrado respeito. Não é apenas sobre a economia australiana, mas também como a Austrália pode continuar o seu apoio na região do Pacífico”, disse Morrison, aos media autralianos, ainda em Tuvalu.

O primeiro-ministro das Fiji, Frank Bainimarama, escreveu, na sua conta da rede social Twitter, que “diluir as palavras sobre as alterações climáticas têm consequências reais, como inundar casas, escolas, comunidades e cemitérios ancestrais”.

Para a organização ambientalista australiana Edmund Rice Center, “a recusa da Austrália em reconsiderar a sua posição na mineração de carvão e a sua resistência ao aumento do atual objetivo, igualar o Acordo de Paris é insustentável se quiser manter um perfil respeitado no Pacífico”.

O Fórum das Ilhas do Pacífico é uma organização regional com 18 membros, a maioria deles nações insulares à mercê de desastres naturais e em perigo de desaparecer devido ao aumento do nível das águas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

Frango à Covan /premium

Paulo Tunhas

Para uma vasta parte da humanidade ocidental, nada há de mais apetecível do que um certo sentimento de culpa própria. Por estranho que pareça, esse sentimento comporta um notório benefício narcísico. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)