Rádio Observador

Futebol

Treinador do Setúbal não espera encontrar um FC Porto fragilizado

Apesar dos desaires frente ao Gil Vicente, na estreia no campeonato, e aos russos do Krasnodar, que ditou a eliminação na Liga dos Campeões, Sandro Mendes frisou a qualidade do adversário.

O Vitória de Setúbal, que integra o grupo dos oitavos classificados, com um ponto, e FC Porto, um dos 12.ºs posicionados, ainda sem pontuar, defrontam-se no sábado, às 21h30, no Estádio do Dragão, no Porto, em encontro da segunda jornada da I Liga

RUI MINDERICO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador do Vitória de Setúbal rejeitou esta sexta-feira a possibilidade de o FC Porto se apresentar fragilizado no confronto de sábado, da segunda jornada da I Liga de futebol, devido às derrotas que sofreu nos últimos dois jogos.

Apesar dos desaires frente ao Gil Vicente, na estreia no campeonato, e aos russos do Krasnodar, que ditou a eliminação na Liga dos Campeões, Sandro Mendes frisou, em conferência de imprensa, a qualidade de um adversário que tudo fará para se reencontrar com os êxitos.

“Espero um FC Porto forte. Tem jogadores com muita qualidade, a maioria internacionais, tem um grande treinador e é uma grande instituição. Todos conhecemos o FC Porto. Se dois resultados maus fazem do FC Porto uma equipa menos boa? Não acredito”, advertiu.

As dificuldades que espera encontrar não desviam Sandro Mendes do objetivo de tentar surpreender em casa de um adversário onde os sadinos não vencem há 30 anos (0-1 em 1988/89).

“Temos de estar preocupados connosco, com o que queremos e tentar ao máximo conseguir o nosso objetivo, que é ir ao Dragão e tentar trazer pontos. Não há jogos iguais. O FC Porto, de certeza absoluta, quer mudar a imagem deixada e tudo irá fazer para isso”, referiu.

O treinador do Vitória de Setúbal frisou a necessidade de a sua equipa não ter uma atitude passiva na partida, procurando, sempre que seja possível, visar a baliza adversária.

“Cabe-nos contrariar e encontrar soluções para chegarmos ao Dragão e tentarmos marcar golos ou tentar estar perto da baliza do FC Porto. Sem isso serão 90 minutos a sofrer e não é esse o nosso objetivo. É lógico que a espaços o FC Porto vai impor o seu jogo, mas estamos preparados para dar uma boa resposta”, garantiu.

Sandro Mendes lembrou que clubes com a dimensão do FC Porto raramente perdem vários jogos de forma consecutiva, facto que aumenta mais as dificuldades da sua equipa para o embate de sábado.

“Equipas como o FC Porto não costumam perder muitas vezes seguidas. Tendo perdido já dois jogos, jogando em casa, diante do seu público vão querer mudar essa imagem. Cabe-nos arranjar soluções para o contrariar”, referiu.

Frente aos ‘dragões’, o Vitória de Setúbal não pode contar com o médio José Semedo (castigado), mas Rodrigo Mathiola e Brian Mansilla, que por questões burocráticas estiveram ausentes da primeira jornada, integram a lista de convocados, segundo revelou o treinador.

Sobre a saída do defesa Vasco Fernandes, cuja transferência para a Turquia foi oficialmente confirmada na quinta-feira pelo Vitória de Setúbal, Sandro Mendes comentou a ‘baixa’ que vai ter no Dragão.

“Tenho a agradecer-lhe por tudo. Pelo profissional que é, pela pessoa, atleta e homem que foi. Esteve aqui quatro anos com muito peso no balneário, por isso, era o nosso capitão. Estas saídas nunca são boas, ainda mais na altura que é”, admitiu.

O Vitória de Setúbal, que integra o grupo dos oitavos classificados, com um ponto, e FC Porto, um dos 12.ºs posicionados, ainda sem pontuar, defrontam-se no sábado, às 21h30, no Estádio do Dragão, no Porto, em encontro da segunda jornada da I Liga.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)