Rádio Observador

Primeira Liga NOS

Vítor Oliveira acredita que Gil Vicente saberá encarar maiores responsabilidades

A vitória contra o FC Porto acrescentou "um capital de confiança e bom espírito" para o que se segue, mas Vítor Oliveira alerta que há dificuldades que se mantêm.

O Gil Vicente, visita o Moreirense, 14.º e sem qualquer ponto, no sábado, a partir das 16h30

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador Vítor Oliveira afiançou esta sexta-feira que o Gil Vicente saberá lidará com a expectativa criada pelo bom arranque de temporada, na visita de sábado ao Moreirense, da segunda jornada da I Liga de futebol.

A vitória sobre o FC Porto será muito mais saborosa se conseguirmos um bom resultado amanhã, senão perdemos essa mais-valia. Estamos muito longe daquilo que queremos, mas esse resultado aumentou a responsabilidade e é perfeitamente natural que tenhamos expectativas de uma boa resposta dos jogadores. Não faz sentido termos sido gigantes com o FC Porto e amanhã sermos pigmeus”, estabeleceu o técnico, na conferência de antevisão ao jogo, realizada no Estádio Cidade de Barcelos.

A vitória na receção ao FC Porto, por 2-1, relativa à ronda inaugural do campeonato, acrescentou “um capital de confiança e bom espírito” para o que se segue, mas Vítor Oliveira alerta que as dificuldades para rotinar métodos num plantel construído de raiz não se eclipsaram por completo.

“Uma vitória sobre o FC Porto é difícil em qualquer circunstância e aumenta o ego, mas os problemas que tínhamos na semana passada não ficaram resolvidos aí. Ganhámos um jogo, mas queremos uma boa sequência de resultados. Provavelmente, até vamos perder mais jogos do que os que vamos ganhar, mas precisamos dos pontos suficientes para os nossos objetivos. Os jogadores percebem isso e estou convencido de que vamos dar uma boa resposta”, adicionou.

O Moreirense surge num estado de espírito oposto ao do Gil Vicente, dado que os cónegos principiaram a época com desaires diante de Sporting de Braga (3-1), na estreia da I Liga, e Vitória de Setúbal (1-0), que ditou o afastamento da fase de grupos da Taça da Liga.

“É evidente que o adversário tem um potencial diferente, que nos obriga a encontrar outras soluções. Teremos menos espaço para explorar e eles terão menos potencial ofensivo do que o FC Porto, pelo que o equilíbrio será mais notório durante os 90 minutos. Mas a nossa estratégia nunca será substancialmente diferente daquela que utilizámos no último jogo”, admitiu o treinador da equipa gilista, recém-promovida à I Liga, que na pré-época empatou 1-1 com o Moreirense.

Vítor Oliveira sublinhou que a equipa vimaranense “foi a grande surpresa do campeonato passado” e a importância de ter mantido a sua base e o treinador, esperando “um Moreirense motivado, a querer fazer valer o fator casa frente a uma equipa do mesmo campeonato”.

Os confrontos entre cónegos e gilistas relativos ao campeonato pautam-se pelo equilíbrio: ao longo de uma dezena de jogos, cada emblema somou quatro triunfos e concretizou 11 golos, com a particularidade de os barcelenses nunca terem vencido em solo vimaranense.

O Gil Vicente, quarto classificado, com três pontos, visita o Moreirense, 14.º e sem qualquer ponto, no sábado, a partir das 16h30, no Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)