Rádio Observador

Educação

Cerca de 40 instituições de ensino superior portuguesas já aceitam exame nacional do Brasil

Três instituições de ensino superior portuguesas que assinaram o acordo ficam em Lisboa: o Instituto Universitário de Lisboa, a Universidade Autónoma de Lisboa e o Instituto Politécnico da Lusofonia.

Segundo a tutela, citada pela agência Brasil, desde o início do acordo, Coimbra já recebeu 1.239 alunos brasileiros e a Universidade de Algarve, 450

AFP/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

O Ministério da Educação brasileiro informou na sexta-feira que mais quatro instituições de ensino superior portuguesas irão aceitar as notas do Exame Nacional do Ensino Secundário do Brasil, passando para 41 as instituições a admitirem essa prova.

“Quatro instituições de educação superior portuguesas assinaram acordo interinstitucional com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para usar as notas do Exame Nacional do Ensino Secundário (Enem) na seleção de brasileiros nos seus cursos de graduação”, anunciou o ministério na sua página na internet.

Três das instituições de ensino superior portuguesas que assinaram o acordo têm sede em Lisboa: o Instituto Universitário de Lisboa, a Universidade Autónoma de Lisboa e o Instituto Politécnico da Lusofonia.

A quarta instituição a aceitar o exame nacional brasileiro como método de admissão é a Escola Superior de Saúde Norte da Cruz Vermelha Portuguesa, localizada em Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro.

O Ministério da Educação brasileiro acrescentou ainda que as duas primeiras instituições a assinar o acordo, em 2014, a Universidade de Coimbra e a Universidade do Algarve, renovaram o acordo.

“Esta é mais uma medida do Ministério da Educação para tornar o Enem num sistema moderno e intercambiável (…). O objetivo é inserir o Brasil no contexto mundial, do mundo desenvolvido, científico e democrático”, afirmou o ministro da Educação do país sul-americano, Abraham Weintraub, citado no ‘site’.

O presidente do Inep, Alexandre Lopes, frisou que se trata de “uma oportunidade para o jovem brasileiro que queira estudar fora”.

“O jovem brasileiro que vai fazer a prova do Enem em 2019 tem de saber que, além das universidades públicas e privadas brasileiras, a prova também pode ser utilizada para permitir o acesso ao ensino superior português. Essa é uma oportunidade para o jovem brasileiro que queira estudar fora”, disse Alexandre Lopes, segundo a agência Brasil.

“[O estudante] não vai precisar de fazer novas provas. Vai apresentar outros tipos de documentações ou exigências da universidade”, esclareceu o presidente do Inep.

O Enem Portugal, como é denominado o programa de acordos interinstitucionais entre o Inep e as instituições de ensino superior portuguesas, foi criado em 2014 durante o governo da ex-Presidente Dilma Rousseff, quando as universidades de Coimbra e do Algarve assinaram acordos com o Ministério da Educação brasileiro aceitando o exame como forma de admissão.

Segundo a tutela, citada pela agência Brasil, desde o início do acordo, Coimbra já recebeu 1.239 alunos brasileiros e a Universidade de Algarve 450.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)