Rádio Observador

Futebol

De Bruyne pediu para falar mas Lucas Moura ainda não tinha acabado: e o Manchester City empatou com o Tottenham

No jogo grande da semana na Premier League, De Bruyne criou os dois golos do Man. City mas Lucas Moura marcou segundos depois de entrar e voltou a ser o homem das horas importantes do Tottenham (2-2).

O avançado brasileiro marcou segundos depois de entrar em campo

Getty Images

Em abril, já na reta final da temporada passada, Kevin De Bruyne escreveu um longo texto para o site The Players’ Tribune. Os inúmeros parágrafos, todos na primeira pessoa, tinham como título “Let Me Talk”, deixem-me falar, em português. O médio belga explicava então que é muito tímido, que prefere ficar calado e assistir com um sorriso à alegria e animação constantes de Gabriel Jesus, Bernardo Silva e Sergio Aguero, apenas três dos muitos latinos que integram o plantel do Manchester City. No texto, porém, De Bruyne pedia para falar: falar sobre as vitórias, falar sobre o amigo Sterling, falar sobre a importância de Guardiola na equipa e falar sobre a dificuldade imposta por uma lesão.

A data de publicação do texto não foi ingénua. No final da temporada passada, De Bruyne estava a terminar um ano de altos e baixos que começou com uma lesão grave logo em agosto que não o afastou dos relvados durante muito tempo mas afetou a regularidade do médio. A final da Taça de Inglaterra, onde saltou do banco para marcar um golo e oferecer outros dois, serviu como espanta-espíritos e espanta-fantasmas, numa espécie de ponto final numa fase menos boa que afastou da Premier League, do Manchester City e do futebol um dos melhores médios dos últimos anos. Depois de já ter sido titular no jogo da primeira jornada da liga inglesa, em que os citizens golearam o West Ham (0-5), De Bruyne repetia a titularidade este sábado na receção ao Tottenham e era figura de proa no primeiro encontro da equipa de Guardiola com um dos restantes big six.

Além de De Bruyne, o meio campo do Manchester City contava com Gundogan e Rodri, ficando Silva e Fernandinho no banco, e Bernardo Silva regressava de forma natural ao onze inicial depois de ter falhado a jornada inaugural da Premier League devido a uma lesão muscular. João Cancelo, que via Kyle Walker manter a titularidade na direita da defesa, voltava a adiar a estreia pelo novo clube. Do outro lado, Mauricio Pochettino entrava no Etihad depois de uma vitória convincente perante o Aston Villa na primeira jornada (1-3) e lançava o reforço Ndombele numa fase mais recuada do setor intermédio, deixando a também cara nova Lo Celso no banco de suplentes.

O conjunto orientado por Guardiola entrou forte no jogo, chegando ao golo inaugural logo aos 20 minutos: De Bruyne, com um cruzamento digno de uma jogada de PlayStation, descobriu Sterling ao segundo poste da baliza de Lloris e o avançado inglês, que na primeira jornada assinou um hat-trick, voltou a marcar. O Tottenham mostrava muitas dificuldades em sair para o ataque de forma apoiada, com Ndombele muito abaixo da qualidade que mostrou no Lyon e Eriksen com pouco espaço para fazer a diferença e procurar Harry Kane, que estava sempre muito sozinho na frente de ataque dos spurs. Ainda assim, e face a uma quebra do rendimento do Manchester City logo depois do golo de Sterling, Lamela conseguiu empatar a partida totalmente contra o sentido das ocorrências (22′) e o jogo ficou totalmente em aberto, ainda que o Tottenham estivesse a ser totalmente manobrado por um Manchester City confortável, apostado em vencer e totalmente concentrado.

O previsível segundo golo dos citizens surgiu através de mais uma enorme assistência de De Bruyne, que surgiu tombado no corredor esquerdo e cruzou para o desvio de Aguero (35′). Na ida para o intervalo, adivinhavam-se mexidas por parte de Pochettino e o Tottenham precisava de jogar mais, criar mais e fazer muito mais para poder sequer discutir o resultado. No regresso para a segunda parte, a verdade é que os spurs estavam ainda mais presos no setor defensivo e iam cometendo inúmeros erros de posicionamento e marcação, o que abriu espaços para oportunidades de De Bruyne e Aguero que Lloris soube parar. Aos 56 minutos, face às visíveis dificuldades da equipa, Pochettino decidiu lançar Lucas Moura e mudar o sistema tático, retirando Winks e passando a atuar em 4x3x3. Mas colocar Lucas Moura em campo, mais do que ter mais um avançado e mais uma solução ofensiva, é colocar em campo um homem que adora estar presente nos momentos importantes.

Depois de ser crucial na caminhada do Tottenham até à final da Liga dos Campeões da temporada passada, tantos nos quartos de final, precisamente com o Manchester City, como na reviravolta incrível das meias-finais com o Ajax, Lucas Moura empatou a partida apenas segundos depois de substituir Winks, ao responder de cabeça a um cruzamento de Lamela (56′). Até ao final, o Manchester City manteve a enorme superioridade que foi tendo ao longo do jogo e o Tottenham limitava-se a sair apenas em contra-ataque, valorizando de forma óbvia o empate: Gabriel Jesus ainda marcou, já no período de descontos, mas o lance foi anulado pelo VAR por mão na bola de Laporte. Os spurs foram a Manchester impor o primeiro empate ao City de Guardiola, que perde dois pontos numa jornada em que Arsenal e Liverpool já ganharam, e Lucas Moura voltou a explicar que é o homem certo a chamar quando é preciso resolver um quebra-cabeças.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)