Rádio Observador

Turismo

Faturação de pastelaria histórica do Porto cresce 20 vezes em seis anos

576

O grupo da Leitaria da Quinta do Paço (LQP), histórica pastelaria do Porto que faz 100 anos em 2020, registou uma faturação de quatro milhões de euros em 2018, crescendo 20 vezes em relação a 2012.

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O grupo da Leitaria da Quinta do Paço (LQP), histórica pastelaria do Porto que faz 100 anos em 2020, registou uma faturação de quatro milhões de euros em 2018, crescendo 20 vezes em relação a 2012.

Em entrevista à Lusa no âmbito das celebrações do 100.º aniversário da LQP, José Eduardo Costa, presidente executivo do grupo da LQP, revelou que a faturação em 2018 ultrapassou os “quatro milhões de euros”, aumentado mais de 20 vezes em relação a 2012, ano que adquiriu a marca e que faturou 190 mil euros.

Nascida no Porto em 1920, na Praça Guilherme Gomes Fernandes, a loja mãe da Leitaria da Quinta do Paço mantém-se há quase 100 anos no mesmo local.

Dados da faturação do grupo LQP indicam que em 2012 registou uma faturação de 190 mil euros, em 2013 aumentou para 675 mil euros e em 2014 atinge 1,2 milhão de faturação. A tendência tem sido sempre a aumentar a facturação e em 2017 já tinha atingido os três milhões de euros.

O aumento da faturação nesta última meia dúzia de anos justifica-se com a abertura de seis lojas franchisadas – Porto (duas), Matosinhos, Lisboa, Almada e Oeiras – e que conseguiram manter a receita original dos bolos, especialmente a “frescura do ‘chantilly'” e que dá a “magia” àquelas iguarias, explicou José Eduardo Costa, que comprou a loja da Baixa do Porto com a mulher, Joana Ramalho, em plena crise financeira de Portugal.

Em 2012, a única loja que existia na altura dava emprego a 15 pessoas. Atualmente nas sete lojas que existem espalhadas pelo país o grupo tem 130 postos de trabalho.

O plano para aumentar no futuro o número de lojas franchisadas com carimbo LQP está traçado e a próxima loja a abrir é em “meados de setembro”, em Braga, no Largo de S. Francisco.

Está também em curso a abertura de uma Leitaria da Quinta do Paço em Sintra, distrito de Lisboa, e outra em Coimbra, onde será feita “uma pequena fábrica”.

A ambição dos proprietários da LQP é continuar a expandir o negócio e abrir uma nova loja na Baixa de Lisboa e outra no Mercado do Bolhão (Porto), cuja obra de reabilitação está em curso.

José Eduardo Costa lamenta o facto de o município do Porto “não estar a olhar para a Leitaria da Quinta do Paço da mesma forma como publicita outros estabelecimentos, como o Café Piolho” ou o “Café Majestic” e frisa que as cidades “vivem do que têm de original”.

“O Porto tem a francesinha, o Douro, a Torre dos Clérigos e as escadas do Harry Potter [na Livraria Lello]. Só que quanto mais coisas tiver, mas competitivo é”, argumentou o presidente executivo, constatando que há cidades que têm especialidades inferiores às da Leitaria que as “gritam ao mercado”, porque é mais um fator de “atração” e “diferenciador”.

O ‘best-seller’ da LQP é o éclair e o segundo produto-chave é a bola de Berlim, seguidos depois pelo ‘chantilly’ vendido em porções. A manteiga, o queijo, iogurtes e sobremesas lácteas são outros lacticínios expostos nas vitrines das leitarias.

Na loja mãe da LQP, localizada na Praça Guilherme Gomes Fernandes, no Porto, vende-se, uma média, de 800 éclairs por dia, um valor que duplica aos sábados e domingos, contou a diretora de marketing da Leitaria, Alexandra Sotto Maior.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)